AS APARIÇÕES DE JACAREÍ-SP-BRASIL SAIBA MAIS! @Marcostaddeu Informe-se pelo TEL: (0XX12) 9 9701-2427 e-mail: santuariodejacarei@gmail.com BLOG OFICIAL

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

02 de agosto - Dia de São Pedro Julião Eymard


http://radiomensageiradapazjacarei.blogspot.com.br/


Biografia de São Pedro Julião Eymard


Fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento
Apóstolo da Eucaristia
Criador da Adoração Perpétua do Santíssimo Sacramento
(04/02/1811 - 01/08/1868)

Em 1804, apareceu no vilarejo de La Mure um amolador de objetos, acompanhado de sua filha de cinco anos de idade, órfã de mãe, que perguntava de casa em casa se havia utensílios para serem afiados por seu pai.


Este tinha por nome Julião Eymard, originário de outra localidade, Auris, onde se casara e tivera seis filhos desse casamento. Perseguido pelos "patriotas" da Revolução Francesa, perdeu boa parte de seu patrimônio. Com a morte da esposa, em 1804, resolveu tentar a sorte noutro lugar.

Deixou então cinco filhos com pessoas amigas e saiu à procura de sustento, levando apenas a caçula. O espírito de solidariedade católica, que ainda havia em La Mure, facilitou o estabelecimento de Julião naquele local, onde prosperou e contraiu novas núpcias.

De seu segundo casamento, nasceu Pedro Julião Eymard em 4 de fevereiro de 1811.

Com o correr dos anos, o menino mostrou-se inteligente e jeitoso, tornando-se a grande esperança do pai para fazer prosperar o negócio que havia montado naquela localidade: uma usina de azeite.

O conquistador de almas para Deus

O menino, porém, sentia que era chamado para algo de bem mais elevado do que ser fabricante de azeite. Após várias dificuldades postas pelo pai, conseguiu entrar no seminário para seguir o que sua vocação lhe pedia: tornar-se sacerdote.

Após ordenar-se, celebrou sua primeira Missa em 26 de outubro de 1834.

O novo sacerdote cativava as almas. Após o ofício divino, saía com os fiéis e ficava em frente à igreja, conversando com eles e os instruindo. Operavam-se então conversões impressionantes.

Em 1839 decidiu entrar na Sociedade de Maria para desenvolver cada vez mais sua devoção à Sagrada Eucaristia, a paixão de sua vida. Sua irmã -- aquela menininha que percorria as casas pedindo trabalhos -- insistiu com ele para que ficasse mais um dia em casa, antes de partir para seu novo destino. "Deus me chama hoje, amanhã poderá ser tarde demais" foi a resposta. E seguiu em frente.

Nessa época a todos impressionava sua piedade profunda e terna, enquanto no seu caminhar havia algo de harmonioso que lhe conferia um aspecto militar.

Pregava a Eucaristia e somente a Eucaristia. Porém o fazia de maneira pessoal, concreta e viva, sem muitas especulações meramente teóricas e abstratas. Sua pregação tocava de modo especial as necessidades espirituais de seus ouvintes. Sua palavra de fogo esclarecia, abrasava e ganhava as almas. Seus sermões eram verdadeiras meditações íntimas que lhe saíam pelos lábios, expressão de sua intensa vida interior.

Sua alma era de tal maneira luminosa, que pessoas das mais diversas condições sociais e econômicas, bem como das mais distintas profissões, vinham lhe pedir luzes fora e dentro do confessionário.

"Fogo" eucarístico nos quatro cantos da França

Certo dia, em 1853, durante a ação de graças, por solicitação de Nosso Senhor, ele se ofereceu por inteiro a Deus, recebendo então muitas graças, consolações e forças para realizar a tarefa que lhe estava destinada.

Seis anos mais tarde, confidenciou que naquela ocasião prometera a Deus que nada o reteria, mesmo que precisasse comer pedras e morrer em um hospital, trabalhando em Sua obra sem consolações humanas.

Era o primeiro passo para a fundação de seu Instituto, dedicado à adoração perpétua do Santíssimo Sacramento. As dificuldades fizeram-no soltar essa exclamação: "Chego como um soldado do campo de batalha, não se achando vitorioso, mas cansado e esgotado pelo combate".

E anunciou ao Arcebispo de Paris que queria pôr fogo nos quatro cantos da França, e especialmente em Paris, com a comunhão dos adultos.

Santo Cura d'Ars profetiza sobre São Pedro Julião!

O Pe. Eymard e o Cura d'Ars se conheciam e se tornaram verdadeiros amigos em Nosso Senhor Jesus Cristo, cada um procurando estar a par das atividades do outro.

O Cura d'Ars teria mesmo profetizado que o Pe. Eymard sofreria muito, inclusive perseguições de seus melhores amigos. Mas que a congregação por ele fundada seria próspera e se espalharia por todos os países, apesar de tudo e contra todos...

De fato, na obra recém-fundada continuava faltando quase tudo e as deserções começavam. O fundador tornou-se objeto de críticas e perseguições. Escreveram-lhe cartas extremamente mortificantes, profetizando quedas e catástrofes. Como se isso não bastasse apareceu uma ameaça de despejo. Obrigado a se afastar por cinco semanas para tratar da saúde, encontrou a casa com menos gente e com traidores.

Em Roma: êxtase e aprovação de sua obra

Tinha um culto entusiasmado pelo Papado. E não foi sem emoção que se dirigiu a Roma para pedir a aprovação de sua obra, o Instituto do Santíssimo Sacramento.

Uma feliz coincidência facilitou as coisas. Estava orando no altar da Confissão, na Basílica de São Pedro, quando entrou em êxtase e não percebeu um cortejo que se aproximava. Era Pio IX, que ia rezar ali também. Os numerosos fiéis que se encontravam no local, se afastaram para dar passagem ao Papa, ficando somente um padre austero ajoelhado. Quando voltou a si, todo confuso, refugiou-se em um canto; o Papa acabara de se retirar.

No dia seguinte recebeu o Breve Laudatório, assinado na véspera pelo Sumo Pontífice!

Desejava ter a voz do trovão

Sua palavra era um fogo de caridade e de fé. Havia um tal brilho de santidade em seu olhar, que se pensava em Nosso Senhor. Mesmo antes de começar a falar, já tocava as almas pela sua simples presença. Mais do que a fé, era quase a visão real do Divino Mestre que ele imprimia nas almas. Parecia ver o que falava.

Quanta vida, quanta luz! Seus ouvintes mantinham o olhar fixo na sua pessoa durante toda a pregação. Diz-se que ele desejava ter a voz do trovão para ser entendido por toda parte e por todos.

Traçava, para cada sermão, os limites, as divisões e o encaminhamento do raciocínio, mas... na hora entrava a palavra e a inspiração do coração. Preparava suas homilias diante do Sacrário pois, segundo ele, uma hora na presença do Santíssimo Sacramento valia mais do que uma manhã de estudos nos livros.


Saint Pierre-Julien Eymard, accueilli par Saint Jean-Marie Vianney

Lia os corações, via à distância, profetizava...

Não era raro dizer a uma pessoa os pensamentos que tivera; e aconselhá-la de acordo com tal discernimento.

Certo dia, uma moça da sociedade foi procurá-lo, sem que os pais soubessem, para pedir-lhe um conselho sobre sua vocação. Ao chegar, soube que ele se encontrava em sua hora de adoração ao Santíssimo, durante a qual não costumava atender absolutamente ninguém. Resignada, dirigiu-se à igreja e o viu de costas, ajoelhado, em oração. Nesse mesmo instante Eymard levantou-se, indicando à moça o caminho do confessionário. Comentou depois que sentira que uma pessoa o procurava e tinha necessidade de ajuda.

Entre 1860 e 1868 previu várias vezes os desastres da guerra franco-prussiana e o movimento revolucionário da Comuna de Paris.

Em Saint-Julien de Tours, o Pe. Eymard deu provas de ser santo, vidente e profeta diante de um auditório que o ouvia pela tarde e pela manhã, sempre recolhido e sempre entusiasta.

Certo dia, duas horas antes da procissão de São Julião, o céu escureceu e se armou uma tempestade. O Pe. Eymard, calmo, ordenou que a procissão saísse e... surpresa! Em lugar dos raios e da chuva que já haviam começado, aparece céu azul e um grande sol! "Milagre"! Foi a palavra que aflorou a todos os lábios.

Exorcista, era perseguido pelo demônio

Muitas vezes passava as noites lutando contra o demônio. Pela manhã, no seu quarto havia móveis quebrados ou avariados e sinais em sua face. Comentava que os golpes do demônio são secos como se bate em mármore, mas a dor desaparecia com a pancada.

Em 1861, após comer parte de uma maçã oferecida por uma mulher tida como mágica, uma menina ficou possessa. A mãe, ouvindo falar de Eymard, foi procurá-lo. Este enviou uma camisa e um gorro com a medalha de São Bento, mas a menina os destroçou com seus dentes. O Padre então benzeu um pedaço de pão e o enviou à casa da menina, para que o engulisse na hora em que estaria celebrando uma missa por ela.

Quatro homens forçaram-na a engulir e ela começou a vomitar um liquido preto, cheirando a enxofre, em tal quantidade que escorreu até o chão, ficando então curada. O demônio foi derrotado duplamente, pois o pai de menina, que se encontrava afastado da religião, impressionado, confessou-se, comungou e voltou à prática religiosa.

Incompreendido pelos próprios filhos espirituais

No final de 1867 repreende os seus por não irem vê-lo com mais freqüência e mais confiança, a fim de pedir uma comunicação mais abundante do espírito da sua vocação. "Nada me perguntais. Quando eu não estiver mais aqui, ninguém terá a graça da fundação. Interrogai-me, usai mais de mim".

Em 1868 escreveu em suas notas que iria fazer parte da corte celeste, participar da bondade de Deus. Um trono lhe estava assegurado no Céu e seu nome estava inscrito no livro da vida; os Anjos e os Santos o esperavam no lugar dos Bem-aventurados e o chamavam de irmão.

Porém, para alcançar um tal píncaro é preciso não só sofrer, mas saber sofrer. Assim, seus últimos anos de vida foram repletos de sofrimentos, ocasionados estes em boa parte por seus próprios religiosos que já não tinham confiança em seu Santo Fundador. Disse ele nessa penosa conjuntura: "Eis-me aqui, Senhor, no Jardim das Oliveiras; humilhai-me, despojai-me; dai-me a cruz, contanto que me deis também o vosso amor e a vossa graça".

No dia 1º de agosto de 1868, às 14:30 hs, exalou seu último suspiro. Tinha 57 anos e meio. Morreu em sua cidade natal, La Mure, na mesma casa onde nascera. Sua congregação tinha então cinco casas na França e duas na Bélgica, com cinqüenta religiosos.

"Nosso santo morreu!" foi o grito que se ouviu nas ruas e nas casas daquela pequena localidade. A população inteira desfilou diante de seus restos mortais. As pessoas iam com as duas mãos cheias de objetos para serem tocados no corpo do Santo. Seus olhos, que não foram fechados por respeito, guardavam uma expressão extraordinária de vida a ponto de dar a falsa impressão de que não morrera.
Foi beatificado solenemente por Pio XI no dia 12 de julho de 1925 e canonizado por João XXIII em 9 de dezembro de 1962.

O Sacerdócio


"Devo abraçar a Cruz de Jesus Cristo,
nela me crucificar e querer ser crucificado
por Deus e pelos homens,
até morrer por amor a Ele."
(São Pedro Julião Eymard)



O Sacerdócio é a dignidade maior que há sobre a terra. Supera a dos reis. Seu império se exerce sobre as almas. Suas armas são espirituais. Seus dons são divinos. Sua glória, seu poder, os do próprio Jesus Cristo.

O Sacerdócio gera as almas à Graça e à Vida Eterna. Possui as chaves do Céu e do Inferno. Tem todo poder até sobre Jesus Cristo, a quem faz descer cada dia sobre o Altar, e de quem recebe todo o Poder gracioso. Pode perdoar qualquer pecado, pois Deus se comprometeu a ratificar no Céu a sentença dada na Terra.

Poder formidável! Poder divino que ordena ao próprio Deus!

O Anjo é servo do Sacerdote. O demônio treme em sua presença. A Terra considera-o como seu salvador enquanto o Céu nele vê o príncipe que lhe conquista Eleitos. Jesus Cristo tornou-o num outro Cristo. É um Deus por participação. É Jesus Cristo operando.

O Sacerdócio é o estado mais santo. E a vida deve estar em relação com a dignidade.

Quão pura deve ser a vida do padre! Mais pura, afirma São João Crisóstomo, que os raios do sol, uma vez que deve ser um mesmo sol. "Vos estis lux mundi" (Mt 5,14).

Mais incorruptível que o sal, que serve para preservar outras substâncias da corrupção. "Vos estis sal terrae" (Mt 5,13). Mais casto que as virgens. Anjo num corpo mortal, morto já a toda concupiscência.

Quão humilde! Sua humildade deve igualar a sua dignidade. Tudo quanto o eleva vem do próprio Deus, mas tudo quanto o rebaixa vem dele mesmo. Por si só é pecado, miséria, nada.

Quão caridosa! Sua caridade deve ser tão grande quanto o próprio Deus, que não o fez senão o Seu ministro de caridade e de misericórdia na terra.

Quão doce! Sua doçura deve ser a do seu bom Mestre, a quem os povos chamavam de a suavidade, a quem as crianças amavam como a mesma Bondade.

O  sacerdote deve ser a imagem viva de Jesus Cristo, até poder dizer a todos, com São Paulo: "Imitatores mei estote, sicut et ego Christi" (I Cor 11,1).

O Sacerdócio é o ministério mais glorioso para Deus

1º - O sacerdote completa a criação divina, elevando o homem a Deus e refazendo-o à sua imagem e semelhança, maculada e desnaturadas pelo pecado. "Creati in Christo Jesu" (Ef 2,10). Pelo seu ministério somos recriados em Jesus Cristo.

Ergue as ruínas desse edifício magnifíco e fá-lo numa obra-prima de Graça, num objeto em que Deus se há de comprazer. O homem batizado torna-se novamente filho de Deus, enquanto o homem santificado se torna um membro honoroso de Jesus Cristo, rei espiritual do mundo.

2º - O sacerdote prolonga a missão do Salvador na Terra.

No Altar continua e remata o Sacrifício do Calvário, aplicando às almas os frutos divinos da salvação.
No confessionário, purifica-as no Sangue de Jesus aplicando às almas os frutos divinos da salvação.
No púlpito, publica a Sua Verdade, o Seu Evangelho de amor. Reflete nas almas os raios desse Sol divino que ilumina o homem de boa vontade, fecundando-o.

Aos pés do Tabernáculo, adora o seu Deus oculto, por amor, como os Anjos O adoram em sua Glória. Aí ora pelo seu povo. É o mediador poderoso entre Deus e o mísero pecador.

No mundo, o sacerdote é o amigo do pobre, consolador nato do aflito; é o homem de DeusQuão bela é a sua missão, mas quão santo deverá ser para poder servir dignamente a Deus e não se perder, como o anjo, pelo orgulho de sua dignidade!

E como adquirir essa santidade?
Por Jesus Cristo, que o ama e lhe prodigaliza as Suas Graças, os Seus favores.

A águia voa com mais força e mais facilidade que o passarinho, pois sua força está nas suas asas. A do sacerdote está no amor régio de Jesus Cristo, seu Mestre.

O Espírito de Jesus no Sacerdote

O sacerdote deve viver do Espírito de Jesus. "Qui adhaeret Domino, unus spiritus est" (I Cor 6,17). "Si quis spiritum Christi non habet, hic non est ejus" (Rom 8,9). Ora, o espírito de Jesus é um espírito de verdade e de amor.

Espírito de verdade

Jesus Cristo veio, qual luz poderosa e divina, dissipar as trevas do erro. A todos pregou a Verdade de que foi testemunha fiel, até derramar o Seu próprio Sangue. É a Verdade. "Ad hoc veni in mundum, ut testimonium perhibeam veritate" (Jo 18,37).

Eis a regra, a missão, a coroa do Sacerdote - a minha por conseguinte. Devo viver da Verdade de Jesus Cristo - regra invariável de minha vida. "Vos estis lux mundi" (Mt 5,14). A verdade é toda a minha vida. Dela devo me alimentar cada dia pela meditação, pelo estudo sagrado.

Jesus Cristo fez-me apóstolo, defensor, testemunho desta mesma Verdade, e oxalá, talvez mártir! Jamais hei de me envergonhar da Verdade de Cristo. Devo, pelo contrário, intrepidamente, anunciá-la, pura e forte, aos grandes e pequenos, na paz e na guerra. "Eritis mihi testes" (At 1,8).

A Verdade é minha espada de dois gumes. É o centro de realeza do meu Sacerdócio. Para lhe ser sempre fiel, é mister que a ame, dela viva, disposto se preciso for a morrer por ela.

Espírito de amor

Jesus é o Amor divino humanizado, tornado visível e sensível.

1º - O Amor de Jesus é cheio de doçura e misercórdia. "Ecde Rex tuus venit tibi mansuetus" (Mt 21,5). "Discite a me, quia mitis sum, et humilis corde" (Mt 11,29).

Ó quão doce, quão paciente foi esse amor Amor de Jesus para comigo, enquanto eu O ofendia, enquanto não O amava! Quão caridoso, quão compassivo para comigo, que me desgraçara pela minha própria culpa afastando-me dele. Quão paternal, quão honroso, posso dizer, foi o meu perdão!

Assim também devo proceder em relação ao próximo e nada mais farei do que aquilo que Jesus já fez para mim, aquilo que me pede em troca de gratidão.

2º - O Amor de Jesus é generoso. Dá-me tudo quanto tem - Verdade, Graça, Glória, Vida e Morte, nada se reservando para Si. Dá-me o Santíssimo Sacramento tudo quanto É.
Que Amor!
Quem me ama assim?
Que Lhe posso eu dar?

Dar-Lhe-ei tudo quanto tenho. Dar-Lhe-ei a mim mesmo. "Dilectus meus mihi, et ego illi!" (Ct 2,16).

3º - A Amor de Jesus é forte como a morte: "Fortis est ut mors dilectio" (Ct8,6). Em prova disto, quis sofrer fome, sede, pobreza, desprezo, humilhação por mim. Quis passar pelo sofrimento, dar-me todo o seu Sangue, morrer na Cruz por entre o abandono, as humilhações, os desprezos de todo o Seu povo.

Eu era o fim do Seu Amor! "Dilexit me, et tradidit semetipsum pro me" (Gl 2,20). Devo, por conseguinte, também sofrer pelo amor de Jesus, se Lhe quiser provar que o meu é desinteressado, e verdadeiro. Devo abraçar a Cruz de Jesus Cristo, nela me crucificar e querer ser crucificado por Deus e pelos homens, até morrer por amor a Ele.

"Quis nos separabit a caritate Christi?... Sed in his omnibus superamus propter eum, qui dilexit nos!" (Rm 8,35.37).

(Excertos do livro: A Divina Eucaristia -  Volume III - São Pedro Julião Eymard)

********
São Pedro Julião Eymard
1811-1868
Fundou a Congregação dos Padres do Santíssimo Sacramento e a Congregação das Irmãs de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento

Pedro Julião Eymard nasceu no norte da França, em Esère, no dia 4 de fevereiro de 1811, primeiro filho de um casal de simples comerciantes, profundamente religioso. Todos os dias, sua mãe levava-o à igreja, para receber a bênção eucarística. Assim, aos cinco anos de idade, despontou sua vocação religiosa e sacerdotal. 

Mas encontrou a objeção do seu pai. Apesar de muito religioso, ele não concordou com a decisão do filho, porque precisava da sua ajuda no trabalho, para sustentar a casa. Além disto, não tinha condições de pagar as despesas dos estudos no seminário. Diante desses fatos, só lhe restava rezar muito enquanto trabalhava e, às escondidas, estudar o latim. Em 1834, conseguiu realizar o seu sonho, recebendo a ordenação sacerdotal na sua própria diocese de origem. 
Após alguns anos no ministério pastoral, em 1839, padre Eymard entrou na recém-fundada Congregação dos Padres Maristas, em Lyon. Nesta Ordem permaneceu durante dezessete anos, chegando a ocupar altos cargos. Foi quando recebeu de Maria Santíssima a missão de fundar uma obra dedicada à adoração perpétua da eucaristia. 


Aliás, padre Eymard já notava que havia um certo distanciamento do povo da Igreja. Algo precisava ser feito. Rezou muito, pediu conselhos aos superiores e para o próprio papa Pio IX. Entretanto, percebeu que por meio do Instituto dos Maristas não poderia executar o que era preciso. Deixou o Instituto e foi para Paris. 
Lá, em 1856, com a ajuda do arcebispo de Paris, fundou a Congregação dos Padres do Santíssimo Sacramento. E, depois de três anos, a Congregação das Irmãs de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento. Mais tarde, também fundou uma Ordem Terceira, em que leigos comprometem-se na adoração do Santíssimo Sacramento. 

Padre Pedro Julião Eymard foi incansável, viajando por toda a França, para levar sua mensagem eucarística. Como seu legado, além da nova Ordem, deixou inúmeros escritos sobre a espiritualidade eucarística. 

Muito doente, ele faleceu na sua cidade natal no dia 1o. de agosto de 1868, com apenas cinqüenta e sete anos de idade. Beatificado pelo papa Pio XI em 1925, foi canonizado pelo papa João XXIII em 1962. Na ocasião, foi designado que a memória litúrgica de são Pedro Julião Eymard deve ser celebrada em 2 de agosto, um dia após o de sua morte.


VIA SACRA EUCARÍSTICA
de São Pedro Julião Eymard


Oração inicial:
Meu Deus e Senhor, prostrado aos Vossos pés, contrito e arrependido, peço-Vos humildemente acompanhar o Vosso Divino Filho no caminho doloroso de Sua Paixão, chorando os meus pecados, causa de tantos sofrimentos.
Concedei-me, pela Sua Sagrada Paixão e  Morte, e pelo Sacramento Augusto de Seu Corpo e Sangue, a graça de lucrar de todas as indulgências anexas a esta devoção, aplicando-as às benditas almas do Purgatório.

  Primeira estação: Jesus é condenado à morte.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

A morrer crucificado, teu Jesus é condenado; por teus crimes, pecador.

Jesus é condenado à morte por aqueles que Ele cumulou de benefícios. Com amor aceitou esta sentença. Para sofrer e morrer Ele veio ao mundo, ensinando-nos a fazer o mesmo. Jesus ainda é condenado à morte na Eucaristia.
Pela Comunhão indigna, o sacrílego vende Jesus ao demônio, crucificando-O em seu corpo de pecado.
Oh! Jesus, mil vezes perdão por todos os sacrilégios! Que eu nunca chegue a cometê-los e passe minha vida a repará-los.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Segunda estação: Jesus levando a cruz às costas.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Com a Cruz é carregado, e do peso acabrunhado, vai morrer por teu amor.

Jesus é carregado com uma pesada Cruz. No Santíssimo Sacramento, os maus cristãos impõem a Jesus uma Cruz bem mais pesada, ignominiosa e dolorosa para o Seu Coração: a irreverência e a tibieza na Sua presença.
Perdão, meu Senhor, por aqueles que Vos tratam sem respeito na Santa Eucaristia, pelas indiferenças e esquecimentos à Vossa presença.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Terceira estação: Jesus cai pela primeira vez.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Pela Cruz tão oprimido, cai Jesus desfalecido, pela tua salvação.

Jesus cai pela primeira vez. Quantas vezes cai em terra sem que se saiba. Mas, o que faz cair de dor é o primeiro pecado mortal que mancha a alma. Como é dolorosa a queda de Jesus na alma que O recebe indignamente na Primeira Comunhão! Tratar,assim, a Jesus na primeira vez que vem à alma, cheio de amor: tão jovem e tão culpado!
Oh! Jesus. Obrigado pelo Amor que me testemunhastes na minha primeira Comunhão. Jamais o esquecerei.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Quarta estação: Encontro de Jesus com Sua Mãe Santíssima.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

De Maria lacrimosa, no encontro lastimosa, vê a viva compaixão.

Maria acompanha a Jesus no caminho doloroso do Calvário. Quem ama quer compartilhar. Quantas vezes Jesus na Eucaristia encontra no caminho de Suas dores, em meio dos inimigos, os filhos do Seu Amor, carrascos e ministros de Suas Graças, que se unem aos carrascos para humilhá-Lo. Quantos renegados e apóstatas abandonam o serviço e o amor de Deus, diante de um sacrifício!
Oh! Jesus, eu Vos quero seguir humilhado e maltratado com Maria, minha Mãe.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Quinta estação: Jesus ajudado por Simão Cirineu a levar a Cruz.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Em extremo desmaiado, deve auxílio aqui cansado, receber de Simeão.

Jesus é ajudado por Simão de Cirineu a levar a Cruz. No Santíssimo Sacramento, Jesus chama os homens para si, e poucos correspondem aos Seus convites. Convida-os ao banquete Eucarístico e tem mil pretextos para recusar. Jesus fica só, abandonado, com as mãos cheias de graça, que os homens não querem: tem medo do Seu Amor!.
Oh! Senhor, compreendo que vale mais deixar tudo do que falhar a uma Comunhão, a maior de Vossas Graças. Perdoai o meu passado, e guardai minhas resoluções para o futuro.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Sexta estação: A piedosa Verônica enxuga o rosto de Jesus.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

O seu rosto ensangüentado, por Verônica enxugado, contemplemos com amor.

Verônica enxuga o rosto de Jesus, ensangüentado e cheio de escarros. Ele a recompensa imprimindo sobre o linho Sua face adorável. Jesus é muito ultrajado e profanado no Adorável Sacramento: e, onde estão as Verônicas compassivas para reparar estas abominações? Fica-se espantado de se ver tantos sacrilégios cometidos contra o Augusto Sacramento; dir-se-ia que Jesus Cristo é entre nós em estranho, indiferente e desprezível.
Senhor, adoro sob o Véu Eucarístico, Vossa Sagrada Face cheia de glória e majestade; dignai-Vos imprimir Vossos traços em meu coração.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Sétima estação: Jesus cai pela segunda vez.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Outra vez desfalecido, pelas dores abatido, cai em terra o Salvador.

Jesus cai pela segunda vez: sobrevêm no Vosso sofrimento,redobram os maus tratos dos carrascos. Quantas vezes tíbios que O recebem sem preparação e sem piedade, e O deixam partir sem Amor, nem agradecimento. Assim a Eucaristia se torna estéril, embora seja fonte de todas as graças.
Oh! Divino Salvador, eu Vos peço perdão pelas comunhões tíbias e feitas sem devoção!

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Oitava estação: Jesus consolando as filhas de Jerusalém.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Das matronas piedosas, filhas de Sião, chorosas, é Jesus consolador.

Jesus, esquecendo Seus sofrimentos, enxuga as lágrimas das piedosas mulheres. É missão do salvador consolar os aflitos e perseguidos. Na Eucaristia é nosso consolador. Espera que as almas O acompanhem no abandono e na ingratidão em que é deixado: e quão poucos se lembram de Jesus! Ele está ali dia e noite! Que ingratidão!Se Seus olhos pudessem chorar, quantas lágrimas deveriam derramar por nós!
Oh! Jesus, aceitai meu amor reparador, e sede minha única consolação e conforto nas horas do sofrimento.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Nona estação: Jesus cai pela terceira vez debaixo da Cruz.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Cai terceira vez prostrado, pelo peso redobrado, dos pecados e da Cruz.

Jesus, esmagado pelo peso da Cruz e pelos maus tratos dos carrascos, cai pela terceira vez. Quanto sofre nesta nova queda! Jesus virá pela última vez a mim, no Viático; será esta graça o complemento de todas as outras na a vida. Que pensa de uma alma que recebe esta preciosa graça em estado de pecado? Ah! é o inferno começado na terra.
Senhor, nós Vos pedimos por todos os moribundos, concedi-lhes a graça de morrerem em Vossos braços.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Décima Estação: Jesus no ato de O despirem e de Lhe darem o fel a beber.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Dos vestidos despojado, por verdugos maltratados, eu Vos vejo meu Jesus.

Jesus é despido de Suas Vestes. Quanto sofreu na sua modéstia. Quantas vezes é Jesus despojado ainda no estado sacramental! Não contentes de O verem despojado de Sua glória divina e da beleza de sua humanidade, os inimigos O despojam da honra do culto: roubam os Sacrários, destroem as igrejas, profanam, os vasos sagrados e os Tabernáculos, e O jogam por terra. Ele, Rei e Salvador dos homens, é entregue à mercê dos sacrílegos como no dia da crucifixão.
Fazei, ó Jesus, que eu Vos imite, assim despojado na Eucaristia, e sede meu único bem.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Décima Primeira Estação: Jesus pregado na Cruz.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Sois por mim à Cruz pregado, insultado, blasfemado com cegueira e com furor.

Jesus é pregado na Cruz, em um madeiro infamante. Na comunhão indigna, o pecador crucifica-O em seu corpo de morte como um cadáver em decomposição. Lá uma vez, aqui todos os dias e por milhares de cristãos.
Oh! meu Jesus, eu Vos peço perdão das imortificações dos meus sentidos. Vós as expiastes bem cruelmente. Prometo humilhar em mim o homem velho, e me unir à Vossa vida crucificada.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Décima Segunda Estação: Jesus morre na Cruz.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Por meus crimes padecestes, Meu Jesus, por mim morrestes, Oh! Quão grande é minha dor.

Jesus morre na Cruz para nos resgatar, perdoando aos carrascos, abandonando Sua alma nas mãos do Pai. Na Eucaristia, Jesus perpetua o amor que nos testemunhou na morte. Cada manhã ele se imola na Santa Missa, e perde Sua existência sacramental nos que comungam. No coração justo para o fazer viver, no do pecador, para o condenar; àquele oferece as graças da redenção; a este, sua morte eterna.
Oh! meu Jesus, dai-me a graça de morrer ao pecado e a mim mesmo, e de viver só para vós. Concedei-me a graça, coroa de minha vida, de Vos receber em Viático.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Décima Terceira Estação: Jesus é descido da Cruz.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

Do madeiro Vos tiraram e a Mãe Vos entregaram com que dor e compaixão.

Jesus descido da Cruz é entregue à sua Mãe, que O recebe nos braços e O oferece a Deus Pai como vítima de Cabe a nós, agora, oferecê-LO no altar e nos corações, por nós e pelos nossos. Ele é nosso, para que O façamos valer. Não permitamos que este preço infinito se torne estéril nas nossas mãos, por causa da indiferença.
Ò Pai Eterno, aceitai o Vosso Divino filho, Jesus, pelas mãos de Maria Santíssima, como vítima pela nossa salvação.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

  Décima Quarta Estação: Jesus é colocado no sepulcro.

Nós Vos adoramos Santíssimo Senhor Jesus Cristo, e Vos bendizemos;
Porque pela Vossa Santa Cruz remistes o Mundo.

No sepulcro Vos deixaram,sepultado Vos choraram, magoado o coração

Jesus é colocado no sepulcro, sob a guarda dos inimigos. Na Eucaristia, Jesus está verdadeiramente sepultado: para sempre será o nosso prisioneiro de Amor. O Corporal O envolve como um sudário; a lâmpada arde como diante de um túmulo num silêncio de morte.
Oh! meu Jesus, venho adorar-Vos, consolar-Vos e honrar-Vos por aqueles que não o fazem, e peço-Vos a graça do recolhimento e da morte ao mundo.

Senhor Deus, misericórdia! Pelas Dores de Maria Santíssima, misericórdia! E, as almas dos fiéis defuntos, pela Misericórdia de Deus, descansem em Paz. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória...

Oração final:
Oh! Dulcíssimo Jesus, fonte de amor e de salvação, estou arrependido de todos os meus pecados, por causa das Vossas dores. Prometo viver conforme Vossa Santíssima Vontade, aproveitar o Alimento Eucarístico, o Sangue derramado, e a Morte que por mim, sofrestes.
E vós, Virgem Dolorosíssima, interponde a Vossa poderosa intercessão para que eu nunca mais ofenda a Jesus.
Oh! meu Salvador, salvai-me, por Vossas Dores, pelo Vosso Sangue, pela Vossa infinita misericórdia. Amém.
Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória.

Rezar: Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória. Pela intenção do Sumo Pontífice para ganhar as indulgências.

*******************************
REZEMOS TAMBÉM O SANTO TERÇO DA EUCARISTIA ENSINADO POR NOSSA SENHORA NAS APARIÇÕES DE JACAREÍ EM ESPECIAL AS QUINTAS-FEIRAS
PARA DESAGRAVAR E CONSOLAR OS SAGRADOS CORAÇÕES EUCARÍSTICOS DE JESUS E MARIA PRESENTES NO SANTÍSSIMO SACRAMENTO
http://youtu.be/P7tDI3KTEPE

DEFESA DAS APARIÇÕES DE JACAREI

DEFESA ÀS APARIÇÕES DE JACAREÍ


(FEITA POR UM PEREGRINO, AO CONTEMPLAR UM VÍDEO FALANDO MAL DAS MESMAS CITADAS ACIMA, E SOBRE A CARTINHA DO BISPO DA ÉPOCA, ALEGANDO QUE AS APARIÇÕES NÃO ERAM VERDADEIRAS)


NÃO SEI QUEM FEZ MAS PRA MIM ESSA PESSOA MERECIA UMA MEDALHA DE HONRA DE NOSSA SENHORA POR ESTA BELA DEFESA

"Quando você diz que devemos dar ouvidos ao que os padres dizem a respeito das aparições de Jacareí, corre em um ledo engano, pois, a “opinião pessoal” deles é que não pode ser elevado ao nível de “dogma de fé”. As cartas de Dom Nelson são muito citadas pelos que latem que estas Sagradas Aparições são falsas. Portanto, mister se faz alguns esclarecimentos. Há duas cartas oficiais onde este indigitado bispo trata da matéria “aparições”. Uma primeira, publicada em 1996, enquanto o mesmo ainda era bispo de São José dos Campos (diocese a qual pertence Jacareí). Nesta, não há menção alguma ao nome do Profeta Marcos Tadeu Teixeira, muito menos, excomunhão, há somente algumas orientações pastorais. A segunda, publicada em 2007 e republicada em 2011, realmente traz explicitamente o nome do Profeta Marcos Tadeu Teixeira, porém, nesta, a palavra “excomunhão” é sequer mencionada.

Ainda há um probleminha com esta segunda carta. O dito bispo (certamente pela providência de Nossa Senhora) foi transferido para a diocese de Santo André/SP em 2003, e, observem, a segunda carta publicada por ele ocorreu no ano de 2007, quando já havia deixado de ter jurisdição eclesiástica sobre a cidade de Jacareí. Portanto, o mesmo, ao editar esta carta, violou a jurisdição eclesiástica conferida a ele pela Igreja, e, ainda, violentou gravemente a autoridade de Dom Moacir, então, bispo da Diocese de São José dos Campos, que, se quisesse, poderia ter criado o maior caso com isso, pois Dom Nelson desrespeitou frontalmente e atropelou sua autoridade eclesiástica, uma verdadeira afronta. Então eu lhes pergunto, vocês ainda vão dar credibilidade a um documento irregular e eivado de vícios como esse?

Vale lembrar, que não é obrigatório seguir estas cartas circulares dos bispos. Não há heresia nem cisma nisso. Um católico somente pode ser acusado de cismático ou herege se atentar contra os Dogmas de Fé. Que eu saiba, carta circular de bispo não é Dogma de Fé. Como a primeira carta de Dom Nelson não condena as Aparições de Jacareí, e a segunda está irregular, pode-se dizer que não pesa condenação oficial e regular da Igreja sobre estas Santas Aparições. Além do mais, até o presente momento, Dom José Valmor, que atualmente tem jurisdição eclesiástica sobre Jacareí, não fez pronunciamento oficial sobre as mesmas. Documento oficial onde o Profeta Marcos foi excomungado, também é inexistente, portanto, qualquer informação que diga o contrário é fruto de pura “fofoca”.

Ressalto que em Jacareí, realmente, não damos tanta importância aos documentos do Vaticano. O que nós realmente valorizamos é a doutrina que nos foi transmitida pelos santos, como Santo Afonso, São Luiz, Santa Teresa, São João da Cruz, etc... Outro adendo que gostaria de acrescentar, diz respeito ao fato da obrigatoriedade ou não das Sagradas Mensagens Celestiais. A orientação predominante entre os teólogos católicos, de que não é obrigatório seguir as Aparições de Nossa Senhora, se funda em meras opiniões pessoais de alguns clérigos a respeito do assunto. Esta orientação não tem o caráter da infalibilidade papal e muito menos é um Dogma de Fé. Realmente, o catecismo atual traz algo nesse sentido, mas vale lembrar que o mesmo não recebeu o caráter da infalibilidade pelo Concílio Vaticano II. Bem ao contrário do Santo Catecismo do Concílio de Trento. Este sim, recebeu o caráter de infalível. Ocorre que nossa amada Igreja há muito se transviou de uma tradição bíblica milenar, através da qual o “Deus dos Exércitos” sempre manifestou sua vontade ao povo de Israel por meio de suas aparições aos profetas (mesmo fenômeno que ocorre com o, também, profeta Marcos Tadeu, pois os fenômenos miraculosos e de aparições que ocorrem naquele Santuário, são da mesma espécie dos verificados na Sagrada Bíblia).

Ora, nos tempos bíblicos não era através dos fariseus, saduceus, príncipes e doutores da lei (a Igreja oficial da época) que Deus dava as suas diretrizes ao povo eleito, mas sim, através dos profetas, em outras palavras, dos videntes. Nos primórdios do cristianismo, também ocorria assim, pois, a própria origem da nossa amada Igreja se funda nas “aparições” de Jesus aos apóstolos e discípulos. Então, por que esta tradição bíblica foi quebra? Será que é porque as aparições aos profetas cessaram? Errado, pois nos últimos 100 anos ocorreram mais de 1000 aparições de Nossa Senhora, dos santos e anjos, e até de Deus.
A pergunta correta é, por que o clero tenta abafar isso, pois grande parte, senão todas, destas aparições também foram acompanhadas de sinais miraculosos, como, curas inexplicáveis pela ciência, sinais na natureza, etc... Se Deus usava deste expediente nos tempos bíblicos, certamente deveria continuar a usá-lo nos tempos do catolicismo, pois uma grande verdade que a Teologia professa é que Deus é imutável. Não citarei as passagens bíblicas onde Deus manifesta sua vontade através dos videntes/profetas, pois se assim fizesse, teria que citar a Bíblia inteira, pois a própria formação e ensinamentos nela transmitidos se dão por este meio. Gostaria apenas de citar um pequeno exemplo de qual atitude deveremos tomar frente às Aparições de Jacareí, tomando por base a Bíblia. Saulo, quando se dirigia à cidade de Damasco e Jesus lhe “aparece” exclama: “Senhor, que queres que eu faça?” (At 9, 6). Naquela ocasião, Jesus disse a ele para procurar os fariseus e saduceus (a Igreja oficial da época)? Não! O ordenou que entrasse na cidade de Damasco e ali lhe seria dito o que deveria fazer. Beleza. E quem Deus enviou para Saulo? Os fariseus e saduceus (a Igreja oficial da época)? Não! Mas Ananias, um vidente. Como eu sei que Ananias era um vidente? As Sagradas Escrituras nos contam que foi uma aparição de Jesus que disse para ele ir procurar Saulo. É só conferir At 9, 10-16ss.

Outro exemplo foi Judas Iscariotes; este preferiu errar com a Igreja oficial da época (lembra né, fariseus e saduceus) que acertar sem ela. Bom... Errou mesmo! E segundo alguns santos místicos, como Maria de Ágreda, sua alma se encontra no inferno. Assim, a posição teológica defendida pela maioria dos teólogos atuais, de que as aparições não são obrigatórias, falando em termos de estudo teológico da atualidade, é perfeitamente passível de questionamento, e, inclusive, daria uma boa tese de doutoramento. É um posicionamento que pode ser mudado. Não é Dogma de Fé. Gostaria de finalizar este ponto dizendo o seguinte. Jesus tolerou para sempre aquela Igreja oficial da época (o judaísmo) que rejeitou o projeto que suas aparições aos Apóstolos (que também eram videntes) propunha? Claro que não!!! Por causa disso, Deus se retirou do meio daquela Igreja e passou a habitar no meio dos seus videntes, os apóstolos e discípulos, e, assim, surgiu a nossa amada Igreja Católica (Mt 21, 39-45).

Não é objetivo do Profeta Marcos Tadeu, nem de sua Ordem e muito menos de nós, a Milícia da Paz (formada por todos os fiéis seguidores daquele Santuário) provocar um cisma na Igreja. Nós apenas denunciamos os erros (prerrogativa esta, conferida aos leigos pelo próprio Concílio Vaticano II), lutamos para que a devoção a Nossa Senhora, aos santos e anjos seja colocada em seu devido lugar, e que as suas mensagens, e as dos demais santos, e até as de Deus, seja acolhida como nos tempos Bíblicos, pois acreditamos que se isto não for feito, irá se abater gigantescos cataclismos sobre a Terra, de uma tal magnitude que nunca houve, nem jamais haverá. Acreditamos que esta “palavra de Deus” transmitida nas aparições é o caminho e a única forma de salvar o mundo, e qualquer obra, ou pessoa, que ensine ou faça diferente do que elas dizem, é desprezada por nós. O motivo para isto é muito simples. Desde tempos remotos, as Aparições de Nossa Senhora (inclusive as não aprovadas pela Igreja) vêm dizendo o que aconteceria ao mundo se esta “palavra de Deus” não fosse obedecida. Resultado, tudo o que elas disseram, em um passado remoto, está se cumprindo na atualidade. Então, não há outra conclusão a se fazer, a não ser admitir que elas eram verdadeiras, e que o clero errou. Aliás, o histórico de erro do clero é algo realmente interessante. Basta citar a condenação que pesou durante 20 anos sobre as Santas Aparições de Jesus Misericordioso à Santa Faustina, e não foi por um “bispozinho” qualquer. Foi pelo próprio papa da época. Se não fosse a atuação do então Cardeal Karol Józef Wojtyła, futuro Papa João Paulo II, estas aparições estariam condenadas até os tempos atuais, e, certamente, você seria um grande opositor delas, não é? Infelizmente, como atualmente o número de Cardeais, e clérigos em geral, com este nível de espiritualidade é praticamente nulo... tadinha das aparições... snif. Praticamente nenhum deles entende de Teologia Mística, o estudo apropriado para se avaliar as aparições e estudá-las.

Além do mais, as aparições de La Salette, Lourdes e Fátima, para quem conhece mais a fundo sua história, verá que elas na verdade não foram aceitas pelo clero. Muito pelo contrário, este as combateu com todas as suas forças. Na realidade, o que ocorreu, é que os fiéis praticamente as fizeram descer goela abaixo na garganta do clero, de tal modo, que eles não tiveram outra opção a não ser aprová-las. E, mesmo nestas que foram aprovadas, o estrago que o clero fez é algo incomensurável. Não as divulgou como deveria; se o corpo incorrupto de Santa Bernadete estivesse no Santuário de Lourdes iria converter milhões de fiéis, no entanto está praticamente escondido no convento de Nevers; o corpo incorrupto de Santa Jacinta foi escondido dos fiéis; a esmagadora maioria dos vaticanistas da Itália é de acordo que, até hoje, o terceiro segredo de Fátima não foi revelado em sua integralidade; a consagração da Rússia não foi feita como Nossa Senhora pediu até os dias atuais, etc... E isso, só para citar os danos que me vem à mente neste momento.

No Santuário das Aparições de Jacareí, o Profeta Marcos está resgatando tudo aquilo que a Igreja e a sociedade tanto se esforçaram para extinguir, os escapulários, medalhas, mensagens, enfim, a salvação do mundo que Nossa Senhora nos revelou e ofereceu com tanto amor ao longo de suas aparições na história. Sem dúvida, lá está se cumprido a passagem da Escritura na qual se diz: “Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas...” Mt 13,52 É uma nova aparição que resgata todas, até as mais antigas. Portanto, se ainda quiserem seguir a doutrina da cabeça deste cara de que não precisamos de aparições, o problema é de vocês. Aliás, se formos pensar bem, porquê Deus, Nossa Senhora os anjos e os santos apareceriam, né? Afinal de contas, nosso mundo está uma verdadeira maravilha, não é? Não temos problemas de droga, prostituição, corrupção, degradação moral, depressão, decadência da Igreja, violência, roubos, assassinatos, guerras, miséria..., todos os sacerdotes são verdadeiros Serafins de santidade, enfim, o Vaticano está dando conta do recado... Só não está apresentando um desempenho melhor devido a um “pequeno” probleminha de tráfico de influência entre os altos clérigos, desvio de verbas do banco do Vaticano, looby gay entre os padres, pedofilia generalizada, um papa progressista e comunista..., mas, afinal de contas, são probleminhas fáceis de serem solucionados, né? É... Em um mundo maravilhoso e em ótimo funcionamento como esse, realmente não entendo o motivo de tantas aparições..."
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A SANTA MEDALHA DA PAZ

A MEDALHA DO AMANTÍSSIMO CORAÇÃO DE SÃO JOSÉ

A MEDALHA DA ROSA MISTICA

MÍSTICA CIDADE DE DEUS - VOL. 01 - REVELAÇÕES A SOROR MARIA DE JESUS DE AGREDA

MÍSTICA CIDADE DE DEUS - VOL. 02 - VIDA DE NOSSA SENHORA À SOROR MARIA DE JESUS DE AGREDA

LIVROS MISTICA CIDADE DEUS

LIVROS MISTICA CIDADE DEUS
ENTRE EM CONTATO PELOS TELEFONES ACIMA

A VIDA DE SÃO JOSÉ VOL.02 - REVELADA A IRMA MARIA CECÍLIA BAIJI

Santa Hora da Paz nº 5 - para ser rezada todos os dias as 08:00hs da noite

Santa Hora do Espírito Santo nº19 - para ser rezada todas as segundas-feiras as 09:00hs da noite

Santa Hora dos Santos Anjos nº19 - para ser rezada todas as terças-feiras as 09:00hs da noite

Santa Hora dos Santos Nº 36 - para ser rezada todas as quartas-feiras as 09:00hs da noite

TERÇO DA EUCARISTIA MEDITADO Nº 03

- para ser rezado em especial as quintas-feiras as 07:00hs da noite

SANTA HORA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Nº04

para ser rezada todas as sextas-feiras as 09:00hs da noite

SANTA HORA DAS LÁGRIMAS DA MÃE DE DEUS PARA SER REZADA TODOS OS SÁBADOS AS 07:00HS DA NOITE

Santa Hora de São José 38 - para ser rezada todos os domingos as 09:00hs da noite

Follow by Email