AS APARIÇÕES DE JACAREÍ-SP-BRASIL SAIBA MAIS! @Marcostaddeu Informe-se pelo TEL: (0XX12) 9 9701-2427 e-mail: santuariodejacarei@gmail.com BLOG OFICIAL

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

17 de agosto e 01 de setembro - Dia de Santa Beatriz da Silva e Menezes


FESTEJAMOS SUA FESTA EM 17 DE AGOSTO DE 01 DE SETEMBRO
Santa Beatriz da Silva e Menezes
1424-1490
Fundou a Ordem das clarissas da Imaculada Conceição
"Monjas Concepcionistas"

Jacareí, 08 de março de 2007-1ª MENSAGEM DE SANTA BEATRIZ DA SILVA E MENEZES COMUNICADA AO VIDENTE MARCOS TADEU TEIXEIRA


MENSAGEM DE SANTA BEATRIZ 

"- Marcos, Eu Sou Beatriz, serva da Imaculada Conceição, filha de Nosso Senhor e vossa irmã. Amo-vos e sou felicíssima pela MÃE DE DEUS ter me trazido aqui hoje. Há muitos que te acompanho, há muitos anos acompanho todas as pessoas que aqui vem. Que os protejo! Que os defendo! E que rezo por este santo lugar, por essas Santas Aparições, por essa Santa Obra que a SANTA MÃE de DEUS veio realizar aqui. 

Sim! Sofri muito em minha vida... Mas sofri tudo com paciência, por amor a NOSSO SENHOR e a MARIA SANTÍSSIMA. Hoje estou no CÉU, feliz para sempre! E canto com os anjos e com os outros santos eternamente ao DEUS DE AMOR e a SENHORA DE AMOR! 


Sim! O que quero pedir-vos é isso o AMOR, nada mais que o AMOR... Quando se ama não há barreiras, quando se ama não há obstáculos à alma, quando se ama até o impossível torna-se possível, quando se ama a alma não conhece noite alguma... Quando se ama a alma só conhece Luz! Só conhece AMOR! Só conhece Paz! Não há perturbação... Quando a alma tem o AMOR, quanto mais se dá a DEUS e a SENHORA, mais deseja dar-se! E a sua felicidade é esse constante dar-se! Quando a alma não dá entristece-se, aborrece-se, envelhece e como se seca e murcha. 


A alma que ama dá-se continuamente... Dá amor e quanto mais amor dá, mais sede tem de dar! 


Quando a alma ama... Ela não pensa mais em si... Pensa apenas em dar-se! Pensa apenas em comunicar-se!... Pois o amor é uma força que quer continuamente revelar-se e manifestar-se para que aqueles que não o conhecem o conheçam, o amem e também sejam amados! 


Marcos, ama o AMOR CIUMENTO DE JESUS E MARIA, diga a todos:- Amai esse AMOR CIUMENTO, alegrai-vos por Ele, desejai-o! 


Digo-vos: - Que todos devem querer, que todos devem aceitar este AMOR CIUMENTO dos SAGRADOS CORAÇÕES que é a fonte da Verdadeira Paz e da Verdadeira Alegria. 


Quando a MÃE DE DEUS me revelou o Seu Amor sublime, especial e particular, ciumento mesmo! O Meu coração estremeceu de alegria... E quando Eu conheci este amor.. Amei-o! Abracei-o! Entreguei-me toda a ELE e nunca mais desejei afastar-me dele ou perde-lo... Fazei o mesmo! E encontrareis a Paz, a felicidade, o amor que vós tanto procurais nas criaturas, nas coisas terrenas que tanto vos cansa e vos aborrece... 


Eu Beatriz prometo ajudar-lhes no caminho do AMOR, levar-vos pelo caminho do AMOR! Até que alcanceis e até que estejais também um dia Comigo... na posse do AMOR PLENO no Paraíso... por toda a eternidade... 


A Paz a todos! 


A Paz Marcos Meu..." 



************************************************



ESPANHOL-MENSAJE SANTA BEATRIZ DA SILVA E MENEZES DADO A VIVA VOZ AL VIDENTE MARCOS TADEU TEIXEIRA,DURANTE EL CENÁCULO EN LA PRESENCIA DE TODOS LOS PEREGRINOS. 

SANTA BEATRIZ: “Marcos, Yo Soy Beatriz, sierva de la Inmaculada Concepción, hija de Nuestro Señor y vuestra hermana. Os amo y estoy felicísima por la MADRE DE DIOS haberme traído aquí hoy. Hace mucho que te acompaño, hace muchos años que acompaño a todas las personas que aquí vienen. Que los protejo! Que los defiendo! Y que rezo por este Lugar Santo, por estas Santas Apariciones, por esta Santa Obra que la SANTA MADRE de DIOS vino a realizar aquí. 

Si! Sufrí mucho en mi vida… Pero sufrí todo con paciencia, por amor a NUESTRO SEÑOR y a MARÍA SANTÍSIMA. Hoy estoy en el CIELO, feliz para siempre! Y canto con los Ángeles y con los otros Santos eternamente al DIOS DE AMOR y a la SEÑORA DE AMOR! 


Si! lo que quiero pediros es eso AMOR, nada más que AMOR… Cuando se ama no hay barreras, cuando se ama no hay obstáculos para el alma, cuando se ama hasta lo imposible se torna posible, cuando se ama el alma no conoce noche alguna… Cuando se ama el alma solo conoce Luz! Sólo conoce AMOR! Sólo conoce Paz! No hay perturbación… Cuando el alma tiene AMOR, cuanto más se da a DIOS y a la SEÑORA, más desea darse! Y su felicidad es ese constante darse! Cuando el alma no da se entristece, se aborrece, envejece y se seca y marchita. 


El alma que ama se da continuamente…. Da amor y cuanto más amor da, más sed tiene de dar! 


Cuando el alma ama… Ella no piensa más en sí… Piensa solo en darse! Piensa solo en comunicarse! Pues el amor es una fuerza que quiere constantemente revelarse y manifestarse para que aquellos que no lo conocen lo conozcan, lo amen y también sean amados! 


Marcos, ama el AMOR CELOSO DE JESÚS Y MARÍA, diga a todos: Amad ese AMOR CELOSO, alegraos por Él, deseadlo! 


Os digo: Que todos deben querer, que todos deben aceptar este AMOR CELOSO de los SAGRADOS CORAZONES que es la Fuente de la Verdadera Paz y de la Verdadera Alegría. 


Cuando la MADRE DE DIOS me reveló Su Amor sublime, especial y particular, celoso incluso! mi corazón se estremeció de alegría… Y cuando Yo conocí este amor… Lo amé! Lo abracé! Me entregué toda a ÉL y nunca más deseé alejarme de ÉL o perderlo… Haced lo mismo! Y encontraréis la Paz, la felicidad, el amor que vosotros tantos buscáis en las criaturas, en las cosas terrenas que tanto os cansa y os aborrece… 


Yo Beatriz prometo ayudarles en el camino del AMOR, llevaros por el camino del AMOR! Hasta que alcancéis y hasta que estéis también un día Conmigo… en la posesión del AMOR PLENO en el Paraíso… por toda la Eternidad… 


La Paz a todos! 


La Paz Marcos Mío…” 


*********************************************

JACAREÍ, 10 DE OUTUBRO DE 2010



FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO



MENSAGENS DE NOSSA SENHORA E SANTA BEATRIZ DA SILVA E MENEZES





MENSAGEM DE NOSSA SENHORA



"-Amados filhos Meus, Eu Sou a SENHORA DO ROSÁRIO. Com esse Nome Eu apareci em Fátima e em tantos lugares. E também aqui Eu Sou a Senhora do Rosário, pois aqui além de vos pedir a oração do Rosário, Eu vos dei o Meu Rosário da Paz e tantos outros Terços que desejo que vós continueis a rezar todos os dias, pela conversão dos pecadores e pela salvação do mundo.



Eu Sou a Senhora do Rosário e chamo-vos a vos tornardes verdadeiras chamas de amor pelo Meu Rosário, a serdes apóstolos ardentes de amor do Meu Rosário, levando-o a todos os Meus Filhos, ensinando-o a todas as pessoas, para que todos os Meus filhos conheçam a Mim, conheçam a Cristo e assim encontrem a salvação por meio do Meu Rosário.



Sede chamas de amor pelo Meu Rosário rezando todos os dias com devoção, com fidelidade, com piedade, contrição, respeito e amor... para que a vossa oração intensa possa ser levada pelos vossos anjos da Guarda e por Mim ao Trono do Senhor, para alcançar Dele a Sua divina Misericórdia.

Se as vossas orações saem do coração, ou seja, se as vossas orações são feitas com verdadeira sede de Deus, com o verdadeiro desejo de renunciar a vossa vontade, para fazer a vontade de Deus e se fazeis a vossa oração com sinceridade e temor de Deus. Então, a vossa oração é sumamente agradável a Deus e o vosso Rosário sobe até a presença do Senhor como um incenso perfumado que o agrada, que o satisfaz, que o alegra e que o inclina a olhar para vós com olhares de misericórdia. Desta forma alcançais para vós e para muitas almas que são beneficiadas pela vossa oração: graças de misericórdia, de paz, de salvação e de luz.

Sede as chamas vivas de amor pelo Meu Rosário, rezando a todo o momento, meditando-o verdadeiramente, procurando contemplar os Seus Mistérios e extrair deles as lições, as virtudes que vós deveis praticar na vossa vida do dia a dia. Para que assim verdadeiramente possais crescer na escola de santidade, que é o Meu Rosário e possais tornar-vos verdadeiros gigantes de amor, de sabedoria divina, de caridade, de pureza, de fortaleza, de temperança, de temor de Deus.

Sede chamas de amor pelo Meu Rosário, falando dele em todo o tempo e lugar, divulgando-o a todas as pessoas que conheceis e sobretudo, dando o exemplo do vosso amor pelo Meu Rosário rezando-o com todo o amor das vossas almas, para que outras almas vendo em vós o amor ao Meu Rosário e os frutos de paz, de alegria e de santidade que ele dá em vossas vidas, também essas almas, também as outras pessoas queiram amar o Meu Rosário, queiram rezá-lo, queiram também ser filhos e apóstolos do Meu Rosário. É pelo Rosário, é porque o Rosário não é conhecido que Eu não Sou conhecida. E porque Eu não Sou conhecida é que Cristo não é conhecido. Quando todos os Meus filhos conhecerem o Meu Rosário Me conhecerão a Mim, e quando Me conhecerem conhecerão o Meu Filho Jesus Cristo. Por isso, a vitória do Reino de Cristo no mundo depende do Rosário, depende de ele se tornar amado, conhecido e rezado por todos.

Sede pois, os Meus Anjos, ou seja, os Meus Mensageiros do Rosário, aqueles que levam o Meu Rosário a todos os corações, a todas as almas, a todos os Meus filhos, até os mais afastados.

Hoje, quando vós ainda estais comemorando a Festa do Meu Rosário que é no dia 7 de Outubro com a Minha magnífica vitória na Batalha de Lepanto, abençôo generosamente neste momento, a todos que divulgam o Meu Rosário, que fazem os Cenáculos com o Meu Rosário Meditado nas casas. Abençôo a todos os que rezam o Meu Rosário Meditado, que o Meu filhinho Marcos faz e a todos aqueles que trazem Comigo o Meu Rosário inseparavelmente todos os dias nas mãos e no coração... de Lourdes, de Fátima e de Jacareí.

A paz Marcos, cavaleiro do Rosário, apóstolo do Rosário, te abençôo generosamente e especialmente neste momento."

(MARCOS:) "-Obrigado Minha Rainha, a Senhora virá depois de amanhã? (PAUSA) Aguardarei."



 2ª MENSAGEM DE SANTA BEATRIZ DA SILVA E MENEZES COMUNICADA AO VIDENTE MARCOS TADEU TEIXEIRA

MENSAGEM DE SANTA BEATRIZ 

“-Marcos, Eu, BEATRIZ DA SILVA E MENEZES, te abençôo novamente hoje. Que alegria poder vir falar-te pela segunda vez*! Abençôo a todos os Meus irmãos aqui presentes. Que alegria sinto em poder estar aqui de novo pela segunda vez para falar-vos. 

Amados irmãos Meus, amai a Virgem Imaculada! Sede profundamente devotos da Virgem Imaculada, pois a devoção à Sua Imaculada Conceição é fonte e foi a causa da santidade, é fonte de santidade para todos aqueles que A amaram e que A amam. Esta devoção está profundamente unida a estas Aparições de Jacareí, pois aqui a Virgem Imaculada e da Paz quer ser amada por vós com todas as forças de vosso coração e quer instaurar em vós o Seu Reino de amor, de santidade e de graça. 


Amai a Virgem Imaculada com todas as vossas forças por meio de palavras, de obras, de atos e do vosso apostolado, procurando sempre mais dar duas coisas à este mundo tão mergulhado em trevas e tão faminto de conhecer a verdade: o vosso testemunho em primeiro lugar com o vosso exemplo e em segundo lugar, o vosso testemunho falado e escrito do amor de Deus, do amor de Maria Santíssima, das verdades da fé católica, dos dogmas, para que todos possam conhecer a verdade, serem libertos pela verdade e chegarem até a salvação. 


Amai a Maria Imaculada, rezando o vosso Rosário todos os dias com amor, devoção, fidelidade e piedade, procurando fazer do vosso Rosário um momento de intimidade total com a Mãe de Deus, unindo o vosso coração ao Dela. Unindo, conformando a vossa vontade à Dela, renunciando enquanto rezais as Ave Marias aos vossos apegos e abrindo o vosso coração para querer o que Ela quer...Para querer a verdade, para querer o bem, para querer a vontade do Senhor. Assim desta forma, o vosso Rosário será um grande ato de amor à Maria Imaculada e uma verdadeira prova de que sois os verdadeiros filhos Dela. 


Amai a Maria Imaculada, procurando glorificar sempre mais a santidade Dela, exaltá-La, glorificá-La, dar a conhecer também aos outros os Seus privilégios, as Suas prerrogativas, as Suas glórias que Nós os Santos tanto deixamos escrito para que vocês conhecessem. Para que desta forma, todos conheçam a beleza, a sublimidade, a glória, a beleza e a perfeição Desta Criatura puríssima, perfeitíssima e sublimíssima que Deus criou e escolheu para a Sua Mãe, Filha e Esposa prediletíssima para que assim, todos encantados por Ela, todos feridos de amor por Ela, possam entregar-se nos braços Dela com toda a confiança, com toda a alegria e com toda a fé para que Ela possa levar todos a Deus, para que Ela possa realizar em todos o plano de salvação do Senhor e para que Ela possa modelar todas as almas e fazê-las cada vez mais semelhantes a Dela mesma e a de Nosso Senhor Jesus Cristo. 


Amai a Maria Imaculada procurando divulgar sempre mais as Suas Mensagens com a palavra e com o exemplo; divulgar os Escapulários Dela, o Escapulário Cinza da Paz, o Escapulário Verde, o Escapulário Azul da Imaculada Conceição, o Escapulário Marrom do Carmo e todos os outros e as Medalhas que Ela deu em todas as Suas Aparições, inclusive Aqui, para que todos os Seus filhos tenham esses escudos potentíssimos contra o mal e para que possam ter através destes sacramentais, destes sinais sagrados da Virgem Santíssima, a força, o apoio, o auxílio maternal que tanto necessitam para perseverarem na fidelidade da fé e do amor de Cristo, nesses tempos difíceis que vós viveis e pelos quais vós neste momento atravessais. 


Com o amor de Maria Imaculada vencereis! Com o amor de Maria Imaculada triunfareis! Com o amor de Maria Imaculada superareis tudo! Se Maria Imaculada é por vós não haverá jamais quem será contra vós! Por isso Meus filhos, sim, Meus filhos porque vos amo ao mesmo tempo com amor de irmã e de mãe, sinto-me responsável, sinto-Me tão próxima de vós que vos amo até mais que uma Mãe ama a seu filhinho dentro do seu ventre. 

Vós que amais a Maria Santíssima, tornai-a conhecida e tereis então a vida eterna, porque o próprio Senhor a fez dizer lá no Antigo Testamento: 


‘Aqueles que Me tornam conhecida terão a vida eterna, os que Me amam não perecerão mas viverão para sempre.’ 


Lutai! Trabalhai! Correi! Andai! Levai o amor Dela a todos os corações e tornai-A amada de todos e Eu prometo Meus queridos irmãos, que uma morada muito bela, muito próxima da Minha, vos espera na glória eterna, onde todos Nós cá de cima vos esperamos ansiosamente com amor e com orações incessantes diante do Trono do Senhor pela vossa salvação. 

A todos neste momento, com Maria Imaculada abençôo generosamente. A paz." 





**************************************************
A família 

“…educada num profundo espírito e virtudes cristãs.” 



De nobilíssima família portuguesa, Beatriz da Silva e Menezes, nasceu na graciosa e ensolarada vila alentejana de Campo Maior, no ano de 1437. Filha de D. Rui Gomes da Silva, Alcaide Mor da já mencionada vila de Campo Maior e Ouguela e de Dona Isabel de Menezes, que era filha de D. Pedro de Menezes que foi Governador da Praça de Ceuta, nessa altura pertencente à coroa dos reis de Portugal. Os pais de Beatriz pertenciam à primeira nobreza e estavam ainda aparentados com a família real. 



Tiveram 11 filhos, educados por franciscanos, que inculcaram no seu coração um profundo sentido cristão, ético e moral e uma especial amor à IMACULADA. 



Beatriz passou a sua infância e adolescência nesta nobre vila, rodeada do carinho de seus pais que a educaram num profundo espírito e virtudes cristãs. 



Foi a oitava de doze irmãos: Pedro, Fernando, Diogo, Afonso, João (Beato Amadeu da Silva, fundador do ramo franciscano dos frades Amadeus, hoje extinto), Branca, Guiomar, Beatriz, Maria, Leonor, Catarina e Mécia. 



A Princesa Isabel de Portugal, filha de D. Duarte, contrai núpcias com D. João II de Castela, e leva a sua prima Beatriz como dama. Era Beatriz muito nova e bela e de alma transparente e cristalina. Os ciúmes da Rainha chegaram ao desejo de a fazer desaparecer. Mas os desígnios de Deus são outros, e como do mal pode obter um bem, enquanto esta só e cerrada num cofre esperando a morte, aparece-lhe a Virgem Imaculada, Rainha de Portugal, a anunciar-lhe que seria mãe de muitas filhas e que fundasse uma Ordem dedicada ao serviço e louvor do mistério da sua Conceição Imaculada. Sai da Corte e nos Palácios de Galiana, em Toledo funda a sua Ordem há mais de 500 anos. 



Na Corte“



…enchia de fervor com o seu exemplo”. 

Para Beatriz decorria tranquila a vida no velho solar de Campo Maior. Totalmente entregue a Deus, tinha esquecido o mundo com toda a sua agitação, embora vivesse nele. 

Mas o Senhor tinha-a criado para coisas maiores que esta vida calma, e, para isso, tinha de a fazer passar pelo crisol do sofrimento, como costuma sempre fazer com os eleitos do seu coração. 

Quando chegou, Beatriz cujos predicados e virtudes raramente se vêm em humana criatura, deram motivo à rainha Dona Isabel, filha de D. Duarte, rei de Portugal, e esposa em segundas núpcias de D. João II de Castela para levar por sua dama, para a Corte, a jovem Beatriz, que era sua parente muito chegada. Primeiro para Lisboa e a quando do casamento com D. João II de Castela, para Tordesilhas. 

A virtuosa dama era o mimo, e todo o desvelo da rainha que não podia estar sem ela um só instante. Só a jovem dama conseguia moderar alguns dos excessos da temperamental rainha de Castela que, se enchia de fervor com o seu exemplo e, quando a via entre as Senhoras e Damas da Corte de Castela, tinha grande satisfação de que a sua portuguesa brilhasse, como a mais bela das rosa entre as flores, e resplandecesse, como lua entre as estrelas. Diz-nos uma biografa da Santa, que Beatriz “era formosíssima, prudente, afável, inteligente, composta e de muita gentileza”, e outro autor: “que era bela, maravilhosamente bela, até ao deslumbramento”. 

O Ciúme 

“…procurava viver em recolhimento, dando todo o seu amor e o maior tempo possível a Deus, o verdadeiro Senhor do seu coração.” 

Costuma dizer-se que há males que vêm para bem, e vice-versa, que há bens que vêm para mal. E foi precisamente o caso de Beatriz. Porque a felicidade humana é inconstante e falível, não podiam durar por muito tempo os excessos de carinho e de atenção da rainha para com a jovem dama portuguesa. 

A sua beleza, graciosidade e doçura, levou muitos nobres a pretendê-la para casar, aos quais, ela negou sempre a sua mão. 

Mas, o fato mais doloroso, foi causado pelo ciúme da rainha que, chegou ao cúmulo de a fechar num cofre, para que Beatriz ali morresse asfixiada. Tudo por ciúme, devido às atenções que o rei dava à jovem, que, de forma alguma, procurava atrair sobre si as atenções de quem quer que fosse, muito pelo contrário, procurava viver no recolhimento, dando assim todo o seu amor e o maior tempo possível ao Pai Eterno, o verdadeiro Senhor do seu coração. 

A visão“

…a sua vocação: fundar uma Ordem com o fim de honrar a Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria”. 

Foi, porém, naquela prisão, que a Santa recebeu em plenitude o “Dom de Deus”, e lhe foi dada a conhecer a sua futura missão, a sua vocação: a de fundar uma Ordem, com o fim de honrar a Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria. 

Nos três dias que permaneceu naquela escura prisão, apareceu-lhe a Santíssima Virgem com o menino nos braços. Trazia vestido um hábito todo branco e escapulário da mesma cor, e a cobri-la um manto azul. 

Era vontade de Deus e de Maria que, Beatriz, fundasse uma Ordem destinada a defender e honrar o Mistério da Imaculada Conceição.

Com Deus nunca seremos pobres ou abandonados. 

O inesperado“

…a rainha deu-lhe licença e liberdade para ir viver aonde mais fosse de sua vontade”. 

O desaparecimento da jovem dama, provoca no seu tio D. João de Menezes (que também se encontrava na corte de Tordesilhas, ao serviço de D. João II de Castela), grande preocupação, até porque ele sabia do grande ciúme que a rainha nutria por Beatriz e temia o pior. 

À pergunta de D. João de Meneses a Dona Isabel, sobre o paradeiro da sobrinha, a rainha respondeu-lhe «que viesse vê-la», e levou-o ao sítio onde a deixara encerrada, certa de que, ao abrir o cofre, a encontraria morta. 

Viva a viu aparecer, e mais bela do que nunca! A rainha, pasmando do que tinha diante de si, não atinava que dizer – conta soror Catarina – e, assombrada duma coisa tão inesperada, não queria dar crédito aos seus próprios olhos, que viam o que naturalmente era impossível sucedesse. 

Com este espanto, e, ao mesmo tempo, para se livrar da ocasião de voltar a criar problemas à dama Beatriz, a rainha deu-lhe licença e liberdade para ir viver aonde mais fosse de sua vontade. 

Certamente que esta «experiência de encarceramento» foi, na vida de Beatriz, um marco importante que a levou a dar uma grande viragem no rumo da sua vida e a levou a abandonar a vida palaciana da corte de Tordesilhas e a retirar-se para Toledo. 

Em viagem“

Este encontro deixou-lhe na alma uma grande consolação e abriu-lhe o entendimento às realidades sobrenaturais”. 

A viagem para Toledo foi longa, arriscada e muito difícil, o que revela a personalidade forte e decidida de Beatriz. 

É significativo, o episódio que ocorreu durante a viagem e que, todos as biógrafos da santa, são unânimes em relatar. 

“Foi o caso que, no caminho para Toledo, ao passar por um monte (Beatriz), viu sair de trás dele dois religiosos da Ordem do meu Padre S. Francisco, e, julgando fossem enviados da rainha a fim de a confessarem para que depois lhe fosse tirada a vida, entrou, em grande temor; e não foi muito, que assim fizesse, quem havia experimentado os arrojos do zeloso peito duma rainha. (…) Acercaram-se os religiosos, e, um deles, que por seu modo parecia português, saudando-a na sua língua materna, lhe perguntou a causa da sua aflição e pena”. 

Depois de saberem dos temores da nobre viajante, tranquilizaram-na os dois frades e falaram-lhe da fundação da Ordem da Imaculada Conceição. E, assim, foram conversando durante a viagem para Toledo. Mas tal como os discípulos de Emaús, também os dois frades desapareceram aos olhos de Beatriz e da sua comitiva, quando esta insistiu com eles, para que partilhassem com ela a ceia na próxima pousada. 
Este encontro deixou-lhe na alma uma grande consolação e abriu-lhe o entendimento às realidades sobrenaturais e compreendeu que os seus companheiros de viagem eram Santo Antônio de Lisboa e São Francisco de Assis. 

Muitas vezes penso que terei um purgatório bem longo,
porque muito será pedido a quem muito recebeu
e Ele foi tão generoso comigo! 


Em São Domingos

“O Real”
“Florescia em todas as virtudes, era tida por santa e obrava milagres”. 

Depois do sucedido e, com a autorização da rainha, Beatriz, retirou-se para a cidade de Toledo, onde viveu, voluntariamente, em completo encerramento, no Convento Dominicano de São Domingos O Real, ou O Antigo. 


Ali passou trinta longos anos, como senhora de piso, longe de tudo e de todos os seres queridos e totalmente desprendida das vaidades terrenas e desejos mundanos. E, como a formosura do seu rosto foi a causa de tantas discórdias na corte, cobriu o rosto com um véu branco durante o resto da sua vida, salvo em raríssimas exceções. 

No mar, o navio é presa fácil do risco dos ventos, se, porém, chegar a um calmo e tranquilo porto, já não teme calamidades, mas está seguro. Também Beatriz, enquanto se encontrou no meio dos homens, contou com tribulações, riscos e embates contra a sua sensibilidade. Mas, ao chegar ao porto do silêncio, para ela preparado, não mais teve medo, e entrega-se toda nas mãos de Deus, confiando no Seu amor sem medida. 

Não fazia parte das religiosas que compunham a comunidade, mas, ali vivia como uma delas, em completa vida de clausura. Como nos canta soror Catarina: Beatriz “Florescia em todas as virtudes e comia parcamente, que era tida por santa e obrava milagres, que se distinguiu sempre por sua humildade e obediência às superioras” do dito Convento de São Domingos O Real e a sua vida era verdadeiramente exemplar. Das rendas, que possuía, reservava uma moderada parte para o tratamento, e decência da sua pessoa, e, tudo o mais, o gastava em esmolas a Deus.E só pela entrega total de si mesmo se entra neste caminho de perfeição e de união com Deus. Contudo, quem diz “entrega total”, diz “renúncia total”. Deus de todos espera o desapego completo de tudo o que não seja Ele. O mais pequeno vínculo impede a alma de levantar voo. Por isso, é urgente perder tudo, para ganhar O Tudo. É urgente entregar tudo o que temos e somos sem hesitação. 

O mercador de pérolas do Evangelho, vendeu todos os seus bens para comprar a pérola mais fina que tivera a sorte de encontrar. Beatriz, por sua vez, renunciou à sua luminosa beleza, à sua posição social, à sua fortuna e à possibilidade de fazer um casamento invejável, aos olhos do mundo, para se fechar num Convento, onde nem sequer era freira. Assim, sem vínculo nenhum, poderia levantar voo e voar na imensidão do amor de Deus e saciar a sua sede na fonte da Água Viva. Preparando-se desta forma, para a Obra a que fora destinada pela Imaculada. 

A espera

“…mantinha-se simplesmente à escuta do que Deus lhe ordenava”. 

A nós, que vemos os acontecimentos no seu aspecto meramente exterior, sem muitas vezes, poderem apreender-se as realidades profundas que essas aparências encobrem, parecerá incompreensível esta demora tão grande em realizar planos que se sabia serem divinos. Que significavam tantos anos de aparente inação, segundo os nossos juízos? Que fazia Beatriz da Silva e Menezes em São Domingos O Real, onde, nem sequer era religiosa? Porque esperava? 

Ora, tais circunstâncias, levam-nos a crer que ela se mantinha simplesmente à escuta do que Deus lhe ordenava. Ia-se exercitando na conquista de uma das virtudes mais difíceis de praticar quando se deseja um bem que tarda em vir; a paciência, na perfeita conformidade com a Vontade de Deus. 

“Poucas vezes uma fundadora terá sido preparada tão profunda e prolongadamente para a sua missão carismática” 
Quando ela atingiu o grau de perfeição na virtude requerido para empreendimento tão sublime, corria o ano de 1484, recebeu então a ordem aguardada durante trinta longos anos entre os muros de São Domingos “O Real”. E logo se seguiu um período de intensa atividade, a esses longos anos vividos na obscuridade e no silêncio do claustro. 

A cruz é a chave
que nos abrirá a porta do céu. 

Os preparativos

“Com a sua admirável generosidade, passou a dar-se sem reservas, ao cumprimento da missão que Deus lhe confiava”. 

Dizem os biógrafos da Santa fundadora, que lhe apareceu outra vez a Mãe de Deus, tornando a mostrar-lhe como haveria de ser o hábito que trariam vestido as suas religiosas, pois, já o havia feito, a quando da visão no cofre em Tordesilhas, e, ainda, para lhe dizer que tinha chegado o tempo de pôr mãos à realização da Obra. 

Tinha soado a hora para a qual Beatriz da Silva orientara o curso de toda a sua vida, na qual concentrara todos os seus esforços e, para a qual, dirigira todas as suas aspirações. Urgia, agora, dedicar à realização da sua Obra todas as forças e o tempo que lhe restava viver na terra. 

Com a sua admirável generosidade, passou a dar-se sem reservas, ao cumprimento da missão que Deus lhe confiava. Finalmente, o sonho que iluminara toda a sua vida, o desejo que o seu coração acalentava de espalhar pelo mundo a devoção à Imaculada Conceição, e honrar através da sua futura Ordem, este mistério tão grande e tão sublime, começava a realizar-se e a criar forma. 

Se tivéssemos mais um bocadinho de fé, 
como estaríamos tranqüilas no meio das dificuldades presentes. 


A fundação

“Terão como carisma próprio o da Imaculada Conceição”. 

Ajudada pela rainha Isabel “a Católica”, que lhe deu os palácios chamados de Galiana, por terem outrora pertencido à princesa Galiana, filha de um rei mouro que os mandara construir propositadamente para esta sua filha, bem como a Igreja de Santa Fé, situada junto ao Palácio de Galiana. Beatriz deixa o Convento de São Domingos O Real, onde viveu 30 longos anos, para se instalar com mais doze donzelas de muita virtude e nobreza, no local que a rainha lhes oferecera. 
Entrou com grande alegria nessa casa tão desacomodada e, logo, deu ordens para que se fizessem as obras necessárias e convenientes para a transformar num Convento de religiosas contemplativas de clausura, começando por arranjar a Igreja. Tanto que, logo que se instalaram no seu Convento de Santa Fé, e, provido este, do essencial para a vida comunitária contemplativa, ordenou a santa fundadora o modo de viver que haviam de guardar ela e suas filhas e, composta a Regra, a enviar ao Sumo Pontífice Inocêncio VIII com petição da rainha Isabel “a Católica” para que Sua Santidade aprovasse esta Ordem com o título da Imaculada Conceição, bem como a Regra, o modo de rezar e de vestir (o hábito). 

Foi, por meio de um «estranho» mensageiro, que a fundadora soube que, Roma tinha expedido a Bula de aprovação da Ordem. 

Contudo, mais tarde, chega a notícia de que o navio que transportava a Bula de aprovação, tinha naufragado. Beatriz comunicou o fato à rainha, e só teve uma ideia: pôr-se a rezar. 
Ao fim de três dias, aparece a Bula num cofre do Convento. Como aconteceu este «prodígio»? A verdade é que, hoje, a dita Bula se encontra no Convento de Toledo.

Inocêncio VIII tinha dito sim ao pedido de Beatriz, com o apoio da rainha Católica. Estava a Bula dirigida ao bispo de Coria e Catânia, e ao Vigário de Toledo, para «executar a Bula» em 1491. A Bula papal cita expressamente a rainha Isabel e soror Beatriz, a quem autoriza a fundar um Convento, de clausura. Segundo palavras de Sua Santidade: Nos foi humildemente suplicado que se dignasse a Nossa Benignidade Apostólica erigir na referida casa um Mosteiro de Monjas, sob a invocação da Imaculada Conceição. Beatriz gozaria da dignidade de Abadessa, e a casa teria campanário, dormitório, refeitório, hortas e outras oficinas, na qual vivam as religiosas em comunidade sob a regular observância e perpétua clausura. E dá poder à Abadessa para que possa formar estatutos e ordenanças. Vestirão de branco, com manto cor (azul) celeste, e, «no manto e escapulário, tragam fixa a imagem da Virgem Maria, e se cinjam com uma corda de cânhamo, à maneira dos Frades Menores». Terão como carisma próprio o da Imaculada Conceição. A Bula «Inter Universa» está datada de 30 de Abril de 1489, quinto ano do Pontificado de Inocêncio VIII. É esta, certamente, a autorização solene, oficial e pontifícia para a Fundação. 

E, finalmente, no antigo palácio, de uma princesa moura, tem o seu berço a Ordem da Imaculada Conceição, melhor dizendo, começam a escrever-se com letras de luz, silêncio e oração as glórias da Imaculada Conceição. 
A passagem

“…no ocaso da vida tudo passa, só Deus fica e o que por Ele tivermos feito”. 

Seis anos passaram estas almas desejosas de uma entrega radical, à espera que lhes chegasse a aprovação de Roma. Quando esta, finalmente chega, a Obra começa a desenvolver-se em pleno. No entanto, um novo sacrifício lhes estava reservado. 
Tinha já sido marcada pelo Bispo de Toledo, a festa das profissões, de Beatriz e das suas doze companheiras, quando a Santíssima Virgem de novo lhe aparece dizendo-lhe: 

– “Dentro de dez dias virei buscar-te porque não é vontade de Meu Filho que gozes aqui na terra o que tanto desejastes”. 

Duro golpe difícil de compreender, mas que Beatriz aceita com o coração em festa, como através de toda a sua vida aceitou sempre qualquer manifestação da Vontade do Pai Eterno. E nisto consistiu precisamente o segredo de toda a sua santidade, pois, só no cumprimento da vontade de Deus, reside o segredo da santificação de qualquer alma. Fora desta vontade não há santificação possível. 

Efetivamente, no dia preciso em que estava marcada a festa do início da Ordem, Beatriz voou para o Céu, tendo, antes, recebido o hábito branco e azul, como a Senhora lhe tinha indicado, e feito nas mãos de um sacerdote Franciscano, a sua Profissão Religiosa. 

Morria assim, como uma verdadeira Concepcionista. A noite da sua vida passara. Tinha sido uma noite de lutas e sofrimentos em que venceu, é certo, mas que, para isso, teve de lutar denodadamente. Tudo agora findava, melhor, tudo agora começava, e morria feliz, pois, como diz o autor, “no ocaso da vida tudo passa, só Deus fica e o que por Ele tivermos feito”. É que, na eternidade seremos julgados, não tanto pelo muito que fizemos ou possuímos, mas pelo muito que amámos. E Beatriz viveu uma vida intensa de amor e de entrega total a Deus. 

A estrela

“…do seu rosto saiam raios de luz e uma estrela luminosa fixou-se-lhe na testa e ali permaneceu até que soltou o último suspiro”. 

No momento da sua morte há um pormenor que não pode ser esquecido. 

Desde que saíra da Corte de Tordesilhas, Beatriz cobria o seu belíssimo rosto com um véu branco a fim de ocultar, aos olhos de todos, a sua grande beleza que fora causa de tantos desgostos e dissabores. E, assim, viveu os cerca de trinta anos que durou a sua vida retirada no Convento de S. Domingos “O Real”, e depois já no seu Convento definitivo. 

No momento derradeiro, ao levantarem-lhe o véu para lhe ser administrado o sacramento da Unção dos Enfermos, todos viram, com assombro, que, do seu rosto, saiam raios de luz que iluminaram todo o aposento em que se encontravam, e uma estrela luminosa fixou-se-lhe na testa e ali permaneceu até que soltou o último suspiro. E é este o motivo pelo que a imagem da santa de Campo Maior se representa com uma estrela na fronte. 
Esta significa, certamente, a luz que ela irradiou então e que continua, ainda hoje, a irradiar ao longo destes cinco séculos que nos separam já da sua morte, ocorrida em Toledo no dia 9 de Agosto de 1492. 

Luz que brota do testemunho de vida de Beatriz, que “…toda se abandonou à vida de santidade…” e das suas filhas, que encerradas nos seus Conventos seguem as pisadas da sua mãe e mestra, vivendo os rigores do evangelho. 


Depois da morte

“…todas viviam unidas, «num só coração e numa só alma»”. 

Como nos conta Soror Catarina: “Logo que a serva de Deus expirou pensaram as religiosas de São Domingos levar para o seu Convento, não só as doze religiosas, porque não haviam professado e ficavam sem Madre, senão também o venerável corpo da Fundadora, porque, tendo vivido tantos anos com elas, julgavam que lhes pertencia; e, nesta ideia, começaram a fazer diligências, levando em seu auxílio alguns religiosos da sua Ordem para conseguirem levar a cabo a sua empresa, e, por conseguinte, para que a casa e Ordem da Imaculada Conceição ficasse desfeita. 

Não era porém essa a vontade do Senhor, que constantemente velava pelas suas servas; e não queria que desaparecessem de sobre a terra; e, por isso, mais uma vez as ilustrou com um novo milagre, como foi o aparecimento da Santa Fundadora a frei João de Tolosa.” 

Antes, mesmo, da chegada de frei João de Tolosa já os religiosos franciscanos de Toledo haviam impedido que o corpo de Beatriz da Silva fosse levado pelas religiosas de São Domingos “O Real” e o sepultaram na Igreja de Santa Fé, junto às suas filhas. 

Contudo, as religiosas de São Domingos não desarmaram e, visto que, não tinham conseguido os restos mortais da fundadora, pelo menos, achavam-se no direito de reclamar para si as doze jovens que faziam parte da comunidade de Beatriz, argumentando que estas ainda não tinham tomado hábito nem feito votos. 

Foi, neste contexto, que frei João de Tolosa veio encontrar as jovens discípulas de Beatriz da Silva. Imediatamente este ilustre franciscano fez desistir dos seus intentos as religiosas de São Domingos “O Real” e marcou, para dentro de oito dias, a tomada de hábito e a profissão religiosa das doze valorosas filhas de Beatriz. Tendo sido nomeada para Abadessa soror Filipa da Silva, sobrinha da fundadora. 

Contudo, não ficaram por aqui as dificuldades por que teve de passar a jovem comunidade Concepcionista. 

As religiosas Beneditinas do Mosteiro de São Pedro das Donas haviam decaído um pouco no fervor primitivo da sua Ordem. Por isso, o Reformador Geral de todas as Ordens no Reino de Castela, frei Francisco de Cisneros, ordenou que o Convento de Santa Fé e o Mosteiro de São Pedro das Donas se juntassem num só. Passando as religiosas de Santa Fé a viver no Mosteiro de São Pedro das Donas. Por outro lado, por breve do Papa Alexandre VI as monjas das Donas passavam a vestir o hábito da Ordem da Imaculada Conceição e adotavam a forma de viver desta jovem Ordem. E ainda, deveria a Abadessa de São Pedro das Donas renunciar ao seu cargo em favor de Madre Filipa da Silva que passaria a ser a Abadessa da nova comunidade. 

No entanto, as mudanças não foram fáceis, pois, graves divisões surgiram na comunidade, que, por três vezes, esteve à beira da extinção, devido às reforma implantadas por Madre Filipa da Silva e que, desagradaram muito às antigas religiosas de São Pedro por não aceitarem que uma Ordem mais nova, viesse impor a uma Ordem mais antiga correcções e tradições. 

A tal ponto chegou a situação que, frei Francisco de Cisneros, à data, arcebispo de Toledo, esteve a ponto de ordenar se extinguisse de vez a Ordem da Imaculada Conceição. Não era esse, no entanto, o projeto de Deus que levou o ilustre prelado a fazer uma última tentativa para repor a unidade e a caridade no referido Convento. 

Para isso, dirigiu às religiosas do dito Convento, uma veemente exortação a que se apaziguassem. Conta-nos Soror Catarina que o arcebispo lhes falou com tão inspirado afeto que lhes abriu o coração e os pacificou de tal maneira que, as que haviam abandonado a comunidade, voltaram bastante emendadas, conformando-se todas numa só vontade e amor, transformando-se o Convento num autentico paraíso. 

E dava gosto, depois, ver o Convento da Imaculada Conceição, onde todas viviam unidas, “num só coração e numa só alma”. 

Depois destas duras provas, a Ordem da Imaculada Conceição entra num período de grande florescimento, tornando-se numa das maiores Ordens Religiosas femininas de vida contemplativa, da Igreja. 

A glorificação

“…a Igreja sente necessidade e alegria em nos dizer que Beatriz da Silva, é Santa”. 

Ao longo da história, Deus suscita homens e mulheres que, compreendendo o único Absoluto, e que foram capazes de assumir atitudes de vida que, ainda hoje, têm lições de vida e de sabedoria. 

A vivência do Evangelho continua a gerar verdadeiros sábios em todas as épocas, que, com os seus exemplos e palavras, possuem uma força de persuasão que não vem dos livros, mas do Espírito Santo. 

Inteiramente abandonados à ação de Deus, os santos deixam-se conduzir pelo Espírito Santo por caminhos desconhecidos, até ao dom total de si mesmos. E foi o que aconteceu com Beatriz da Silva e Menezes, por isso mesmo, a Igreja sente necessidade e alegria em nos dizer que, fundadora da Ordem da Imaculada Conceição, faz parte deste grupo de obras-primas da criatividade do Espírito Santo e que nunca se repetem, que são os Santos. 

E fá-lo oficialmente, quando o Papa Pio XI a 28 de Julho de 1926 a beatifica e a 3 de Outubro de 1976, o papa Paulo VI a canoniza. 

Oração:
Lembrai-vos ó Santa Beatriz da Silva, das muitas angústias e tribulações pelas quais passastes nesta vida e intercedei por nós.
Ó Santa Beatriz, virgem singularmente amada de Maria Imaculada, alcançai-nos a pureza da alma e do corpo, com a graça que ardentemente vos suplicamos.
Amém. 


***************************************

"Filha, não morrerás. Fundarás uma grande ordem religiosa com o título da Imaculada Conceição; suas filhas vestirão um hábito semelhante às minhas vestes e se dedicarão a servir a Deus, em união comigo".
Michelle Viccola
Dom Rui Gomes da Silva, bravo cavaleiro português, participou da tomada de Ceuta e permaneceu em território luso na

Beatriz possuía formosura, dignidade e gentileza extraordinárias, mas atraía, sobretudo, pela beleza de seu espírito, "Santa Beatriz da Silva", quadro que se venera no Mosteiro das Concepcionistas em Toledo - Espanha Eric Salas 

África, como alcaide da vila fronteiriça de Campo Maior. Por seu heroísmo e coragem, ali recebeu em casamento Dona Isabel de Menezes, filha do Conde de Vila Real, ilustre descendente do primeiro monarca português, Dom Afonso Henriques. Foi no seio desse matrimônio que nasceu, em 1426, Beatriz da Silva Menezes, a oitava filha do nobre casal. À elevada origem, unia Dona Isabel singulares virtudes de esposa e mãe, que soube educar com profundo senso católico seus numerosos filhos.
Calma e inocência até os 23 anos
Desde a mais tenra idade, Beatriz demonstrava qualidades excepcionais: docilidade, retidão de consciência, inclinação para as virtudes e atração pelas coisas elevadas e espirituais. Em certa ocasião, seu pai encomendou a um pintor um quadro da Santíssima Virgem. Escolhida para posar como modelo, Beatriz se manteve todo o tempo com os olhos baixos, por humildade. O quadro ainda existe e é conhecido como a Virgem dos olhos fechados.
Até os 23 anos viveu calmamente no seio da família, mas em 1447, sua vida sofreu uma grande mudança. A princesa Dona Isabel, sua prima de 19 anos, ia se casar com Dom João II de Castela e a convidava para ser sua dama na corte espanhola.
Beatriz confiou à Santíssima Virgem a perspectiva aberta por esse convite. Embora ainda não estivesse definido o dogma da Imaculada Conceição, era pelo nome de Imaculada que ela gostava de invocá-La. Uma voz interior inspirava-lhe o ideal de empreender algo verdadeiramente grande para a glória da Mãe de Deus, mas ela não sabia como realizá-lo. Agora, porém, parecia brilhar-lhe uma luz: não seria sua ida para a corte um meio de pôr em prática esse ideal?
Nem lhe vieram à mente as honras, a posição social, o lugar de destaque na corte. Sua preocupação era, sobretudo, glorificar a Deus.
Virtude ilibada em meio aos perigos da corte
STA BEATRIZ DA SILVA_2.jpg
As relíquias da fundadora podem ser  veneradas no
Mosteiro da Conceição de Toledo,  em  uma capela
aberta ao público - Igreja do Mosteiro das Concepcio-
nistas, Toledo - Espanha

Beatriz partiu. Encontrou um ambiente muito diferente daquele no qual até então tinha vivido. A corte se deslocava de Tordesilhas para Madrigal de las Altas Torres, e viceversa, dependendo das circunstâncias e necessidades.
O fausto e o luxo das cortes reais alcançaram seu apogeu no século XV. Banquetes, torneios, caçadas, profusão de jóias, faustoso vestuário, ricos palácios, tudo isso influenciava enormemente a nobreza. Nelas não faltavam ambição, intrigas, invejas dissimuladas, competições e comparações.
Beatriz possuía beleza, dignidade e gentileza extraordinárias. Todos afirmavam que nunca haviam visto nobre mais formosa em terras de Espanha e Portugal. Recebia, por isso, inúmeros elogios das outras damas e também dos cavalheiros. Mas ela atraía, sobretudo, pela beleza de seu espírito. Sua grandeza de alma a mantinha acima de todas as futilidades mundanas e, ao mesmo tempo, a fazia condescendente e bondosa para com todos, exceto com quem poderia desviá-la do caminho reto.
Vítima do ciúme da soberana
Passaram-se três anos desde a chegada de Beatriz à corte. Suas virtudes, que antes produziam admiração, agora eram causa de ciúme e comparações, aos quais a própria rainha Isabel não ficara imune.
Boatos maldosos lançavam dúvida sobre a virtude de Beatriz, pois o rei Dom João II, homem de caráter tímido e inseguro, procurava alento para governar seu reino nas conversas elevadas que com ela mantinha. Surgiram, então, na rainha Isabel, idéias fantasiosas acerca da fidelidade conjugal do seu esposo.
Tomada de profundo ódio, ela procurou de todas as formas maltratar Beatriz. Além de repreendê-la severamente em público, isolava- a do conjunto das damas nobres e patenteavalhe desprezo por meio de palavras ásperas e cortantes.
Embora a santa suportasse todas essas humilhações com exemplar humildade e redobrasse suas manifestações de amor e fidelidade para com a rainha, esta decidiu de uma vez por todas livrar-se dela.
Certa noite, tendo chegado cansada a seus aposentos, Beatriz derramou abundantes lágrimas aos pés de uma imagem de Nossa Senhora e implorou-Lhe forças para manter-se fiel naquela dramática situação e poder cumprir o chamado que sentia no fundo da alma. Logo depois, ouviu fortes golpes na porta. Quem seria àquelas horas? Era Dona Isabel, que a fulminava com olhos desvairados, segurando numa das mãos uma lanterna.
- Segue-me! - ordenou-lhe, com voz fria, a soberana.
A jovem dama deixou seus aposentos e seguiu a rainha que, com passos rápidos, dirigia-se à parte inferior do castelo.
Atravessaram longos corredores e desceram as enormes escadas que conduziam a um subterrâneo. A escuridão ali era completa e as paredes frias e úmidas. Beatriz teve medo das intenções da soberana. Esta se deteve diante de um velho cofre, alto e muito estreito, e, com uma gargalhada sarcástica, disse:
- Já me enganaste até agora! Pretendes conquistar o rei, livrar-te de mim e subir ao trono de Castela... Não o conseguirás! Entra aí ou eu mesma a lançarei.
Fitando-a com firmeza, disse-lhe Beatriz:
- Senhora, quereis matar-me, mas sabei que sou inocente das culpas que me imputais. Deus, justo Juiz, é testemunha de vosso ato. Que Ele perdoe a vossa loucura, minha prima, e vos dê a graça do arrependimento para purificardes vossa alma.
Dona Isabel empurrou-a violentamente para dentro do cofre, bateu a porta e trancou-a com uma grande chave, esperando que a falta de oxigênio ceifasse a vida de sua bela "rival".
No pavor e na escuridão brilha a Imaculada


A nobre dama viu-se sem qualquer possibilidade de salvação. Morreria sem os Sacramentos, sem receber auxílio de ninguém, numa agonia lenta e pavorosa. Começava já a sentir falta de ar. Só os Céus poderiam ajudá-la. Confiante, dirigiu-se a Nossa Senhora:


- Ó Maria Imaculada, valei- me!
Nesse instante, mais resplandecente que o Sol, apareceu- lhe Nossa Senhora vestida de branco, com um manto azul, e tendo nos braços o Menino Jesus.
- Filha, não morrerás. Conservo-te a vida para realizares o que tanto tens desejado. Fundarás uma grande ordem religiosa com o título da Imaculada Conceição; suas filhas vestirão um hábito semelhante às minhas vestes e se dedicarão a servir a Deus, em união comigo.
Arrebatada por tal visão, Beatriz permaneceu três dias no cofre, cheia de consolação e alegria, sem sentir passar o tempo.
Seu tio, Dom João de Menezes, que também residia na corte, notando a ausência da sobrinha, foi pedir a Dona Isabel notícias dela. A rainha levou-o ao cofre, onde julgava encontrar apenas um cadáver. Mas, qual não foi sua surpresa! Ao abrir a porta, saiu Beatriz ainda mais bela, reluzente como um diamante.
Preparação para a grande fundação
Beatriz perdoou sua ama, que se arrependera, mas decidiu deixar as intrigas da corte e procurar refúgio no mosteiro de São Domingos el Real, situado em Toledo. Naqueles tempos, era comum os conventos hospedarem pessoas de alta categoria que, sem obrigação de seguir a regra, neles levavam uma vida monacal. Era por esse estilo de vida que Beatriz ansiava. Não mais serviria a uma rainha da terra, mas à Rainha dos Céus.
Dona Isabel, em reparação pelo que fizera, lhe preparara todo o necessário para a penosa e arriscada viagem. No caminho, Beatriz encontrou- se com dois frades franciscanos que lhe falaram profeticamente sobre o futuro de sua fundação. Quando, porém, ela os convidou para cearem com a comitiva, na próxima pousada, eles desapareceram aos olhos de todos. Ela então compreendeu que eram São Francisco de Assis e Santo Antônio de Lisboa, fortalecendo- a para seguir com seu empreendimento.
Após transpor os umbrais da clausura do mosteiro de São Domingos, a nobre dama cobriu seu rosto com um véu branco, que usaria até o fim da vida para ocultar sua formosura aos homens e oferecê-la só a Deus. Nunca mais aquela belíssima fisionomia, que conservaria sua juventude e louçania até a morte, seria contemplada pelas criaturas.
O silêncio, o recolhimento e o cerimonial preparavam-na para enfrentar as dificuldades que seriam a base de sua fundação. A visão que tinha contemplado dentro do bendito cofre nunca a abandonava... Quando chegaria o dia de vestir aquele hábito branco e azul, símbolo da Imaculada?

Os frutos de uma longa espera
As longas esperas anunciam que Deus será generoso no momento de dar. Passaram-se mais de trinta anos... Trajando um burel religioso, Beatriz, simples hóspede no mosteiro, porta-se de tal forma como uma perfeita religiosa que as próprias monjas a tomam como exemplo.
Em 1484 uma importante visita chega ao mosteiro. Era a rainha Isabel, a Católica, filha e sucessora daquela que quisera tirar a vida de Beatriz..Tinha pedir-lhe orações pela situação política de seu reino.
No fim da conversa, a soberana, muito empenhada em ajudá-la em algo, ofereceu-lhe um palácio junto à Igreja da Santa Fé, em Toledo, para aí iniciar sua obra tão almejada. Beatriz viu nesse oferecimento a mão da Divina Providência: era o momento!

A fundação
A notícia da fundação do novo mosteiro correu célere por toda a redondeza. Logo se apresentaram várias candidatas, muitas delas de nobre família, para pertencer à Ordem das Concepcionistas Franciscanas, pois seria um ramo da Ordem dos Frades Menores. A todas Beatriz instruía sobre a austeridade da vida monástica, a clausura, o silêncio e a mortificação.
Doze dessas jovens perseveraram em seus piedosos desejos, inclusive Filipa da Silva, sua sobrinha. Beatriz se empenhava em formar suas filhas espirituais. Tomando como mestra e modelo sua santa madre, elas moldaram- se inteiramente por seu grande espírito.
Viviam em contemplação e trajavam, em caráter privado, hábito branco com uma imagem da Virgem cercada de raios e coroada de doze estrelas, manto azul, e cingiam-se com o cordão de cânhamo franciscano.
Com a fundação desse convento estava estabelecida a Ordem da Imaculada? Ainda não. Faltava a aprovação definitiva do instituto com sua regra, hábito e título de Imaculada Conceição. Era preciso solicitá- la à Santa Sé. Disto se encarregou a rainha, que gozava de grande estima junto ao Pontífice reinante, Inocêncio VIII.
Algum tempo depois, Beatriz foi chamada à roda do mosteiro. Era um cavaleiro com a notícia de que o Papa aprovara sua fundação e que a bula de aprovação já se achava a caminho, por mar. A alegria pervadiu o convento: cânticos, festas!
Mas, passados alguns dias, o mesmo cavaleiro retornou com uma trágica notícia: o navio havia naufragado e a bula estava perdida.
Beatriz levou um forte golpe. Seria algum sinal da Providência? Pôsse diante do sacrário, rezando por sua fundação. Suas filhas, em vigília, oravam com ela. Permaneciam numa inabalável confiança, pois a Santíssima Virgem não deixaria inacabada a obra por Ela mesma começada. Mas era uma delonga cuja duração não podiam calcular...
A confiança gera o milagre
Após três dias de orações, a santa madre abriu a gaveta de um móvel, da qual só ela tinha a chave, e deparou com um pergaminho enrolado, que ela nunca vira antes. Sentiu um forte cheiro de mar e seu coração estremeceu: "Meu Deus, isto parece a bula pontifícia". Pegou-o e percebeu um selo pendente de um fio; desenrolou- o um pouco e pôde ler algumas palavras em latim. Tinha todas as características de uma bula.
Para certificar-se de que realmente se tratava de um milagre, Beatriz enviou o documento ao bispo para este dar seu parecer: era a bula InterUniversa, com a aprovação pontifícia da Ordem, datada de 30 de abril de 1489! Ficou conhecida como a "Bula do Milagre".
Beatriz era devota do Arcanjo São Rafael desde a infância. E estava totalmente convencida de que o cavaleiro que lhe trouxera a notícia da bula era ele. Portanto, para ela, São Rafael também havia recuperado o documento das águas!
A verdadeira renúncia
Em agosto de 1490, quando as religiosas faziam o retiro preparatório para a profissão solene dos votos e a recepção oficial do hábito, a Virgem Maria apareceu à santa fundadora e lhe disse:
- Filha, não é minha vontade, nem de meu Filho, que gozes aqui na terra o que tanto tens desejado. Daqui a dez dias virás comigo ao Paraíso.
Beatriz caiu enferma e revelou ao confessor a visão que tivera. Manteve- se sempre calma e confiante, oferecendo a Deus o que lhe era mais caro: a realização de sua obra. Recebeu o hábito e fez os tão desejados votos.
Para ministrar-lhe a unção dos enfermos foi necessário descobrir sua face e todos puderam então contemplar uma fulgurante estrela que brilhava sobre sua fronte e se refletia no sorriso. Essa estrela assim permaneceu até a santa exalar o último suspiro. Era o dia 16 de agosto de 1491.
A estrela da Imaculada continua a refulgir nos céus da Igreja
Os ecos de sua santidade, que já se faziam ouvir durante sua vida, propagaram- se muito mais após sua morte.
A própria permanência da nova Ordem, que rapidamente se expandiu em meio a tremendas dificuldades, é prova de sua intercessão.
O Papa Paulo VI canonizou-a em outubro de 1976. Suas relíquias são veneradas no mosteiro da Conceição, em Toledo. Delas se exala um suave perfume, comprovado inúmeras vezes.
A Ordem das Concepcionistas foi a primeira instituição religiosa feminina a estabelecer-se na recém- descoberta América, em 1530. Atualmente, ela conta com quase 200 conventos espalhados por quatro continentes: Europa, América, África e Ásia.
A humilde árvore nascida na escuridão de um cofre haveria de estender seus galhos por toda a terra e amparar sob sua sombra protetora as almas desejosas de servir Àquela que é "bela como a Lua, brilhante como o Sol e terrível como um exército em ordem de batalha" (Ct 6,10)

DEFESA DAS APARIÇÕES DE JACAREI

DEFESA ÀS APARIÇÕES DE JACAREÍ


(FEITA POR UM PEREGRINO, AO CONTEMPLAR UM VÍDEO FALANDO MAL DAS MESMAS CITADAS ACIMA, E SOBRE A CARTINHA DO BISPO DA ÉPOCA, ALEGANDO QUE AS APARIÇÕES NÃO ERAM VERDADEIRAS)


NÃO SEI QUEM FEZ MAS PRA MIM ESSA PESSOA MERECIA UMA MEDALHA DE HONRA DE NOSSA SENHORA POR ESTA BELA DEFESA

"Quando você diz que devemos dar ouvidos ao que os padres dizem a respeito das aparições de Jacareí, corre em um ledo engano, pois, a “opinião pessoal” deles é que não pode ser elevado ao nível de “dogma de fé”. As cartas de Dom Nelson são muito citadas pelos que latem que estas Sagradas Aparições são falsas. Portanto, mister se faz alguns esclarecimentos. Há duas cartas oficiais onde este indigitado bispo trata da matéria “aparições”. Uma primeira, publicada em 1996, enquanto o mesmo ainda era bispo de São José dos Campos (diocese a qual pertence Jacareí). Nesta, não há menção alguma ao nome do Profeta Marcos Tadeu Teixeira, muito menos, excomunhão, há somente algumas orientações pastorais. A segunda, publicada em 2007 e republicada em 2011, realmente traz explicitamente o nome do Profeta Marcos Tadeu Teixeira, porém, nesta, a palavra “excomunhão” é sequer mencionada.

Ainda há um probleminha com esta segunda carta. O dito bispo (certamente pela providência de Nossa Senhora) foi transferido para a diocese de Santo André/SP em 2003, e, observem, a segunda carta publicada por ele ocorreu no ano de 2007, quando já havia deixado de ter jurisdição eclesiástica sobre a cidade de Jacareí. Portanto, o mesmo, ao editar esta carta, violou a jurisdição eclesiástica conferida a ele pela Igreja, e, ainda, violentou gravemente a autoridade de Dom Moacir, então, bispo da Diocese de São José dos Campos, que, se quisesse, poderia ter criado o maior caso com isso, pois Dom Nelson desrespeitou frontalmente e atropelou sua autoridade eclesiástica, uma verdadeira afronta. Então eu lhes pergunto, vocês ainda vão dar credibilidade a um documento irregular e eivado de vícios como esse?

Vale lembrar, que não é obrigatório seguir estas cartas circulares dos bispos. Não há heresia nem cisma nisso. Um católico somente pode ser acusado de cismático ou herege se atentar contra os Dogmas de Fé. Que eu saiba, carta circular de bispo não é Dogma de Fé. Como a primeira carta de Dom Nelson não condena as Aparições de Jacareí, e a segunda está irregular, pode-se dizer que não pesa condenação oficial e regular da Igreja sobre estas Santas Aparições. Além do mais, até o presente momento, Dom José Valmor, que atualmente tem jurisdição eclesiástica sobre Jacareí, não fez pronunciamento oficial sobre as mesmas. Documento oficial onde o Profeta Marcos foi excomungado, também é inexistente, portanto, qualquer informação que diga o contrário é fruto de pura “fofoca”.

Ressalto que em Jacareí, realmente, não damos tanta importância aos documentos do Vaticano. O que nós realmente valorizamos é a doutrina que nos foi transmitida pelos santos, como Santo Afonso, São Luiz, Santa Teresa, São João da Cruz, etc... Outro adendo que gostaria de acrescentar, diz respeito ao fato da obrigatoriedade ou não das Sagradas Mensagens Celestiais. A orientação predominante entre os teólogos católicos, de que não é obrigatório seguir as Aparições de Nossa Senhora, se funda em meras opiniões pessoais de alguns clérigos a respeito do assunto. Esta orientação não tem o caráter da infalibilidade papal e muito menos é um Dogma de Fé. Realmente, o catecismo atual traz algo nesse sentido, mas vale lembrar que o mesmo não recebeu o caráter da infalibilidade pelo Concílio Vaticano II. Bem ao contrário do Santo Catecismo do Concílio de Trento. Este sim, recebeu o caráter de infalível. Ocorre que nossa amada Igreja há muito se transviou de uma tradição bíblica milenar, através da qual o “Deus dos Exércitos” sempre manifestou sua vontade ao povo de Israel por meio de suas aparições aos profetas (mesmo fenômeno que ocorre com o, também, profeta Marcos Tadeu, pois os fenômenos miraculosos e de aparições que ocorrem naquele Santuário, são da mesma espécie dos verificados na Sagrada Bíblia).

Ora, nos tempos bíblicos não era através dos fariseus, saduceus, príncipes e doutores da lei (a Igreja oficial da época) que Deus dava as suas diretrizes ao povo eleito, mas sim, através dos profetas, em outras palavras, dos videntes. Nos primórdios do cristianismo, também ocorria assim, pois, a própria origem da nossa amada Igreja se funda nas “aparições” de Jesus aos apóstolos e discípulos. Então, por que esta tradição bíblica foi quebra? Será que é porque as aparições aos profetas cessaram? Errado, pois nos últimos 100 anos ocorreram mais de 1000 aparições de Nossa Senhora, dos santos e anjos, e até de Deus.
A pergunta correta é, por que o clero tenta abafar isso, pois grande parte, senão todas, destas aparições também foram acompanhadas de sinais miraculosos, como, curas inexplicáveis pela ciência, sinais na natureza, etc... Se Deus usava deste expediente nos tempos bíblicos, certamente deveria continuar a usá-lo nos tempos do catolicismo, pois uma grande verdade que a Teologia professa é que Deus é imutável. Não citarei as passagens bíblicas onde Deus manifesta sua vontade através dos videntes/profetas, pois se assim fizesse, teria que citar a Bíblia inteira, pois a própria formação e ensinamentos nela transmitidos se dão por este meio. Gostaria apenas de citar um pequeno exemplo de qual atitude deveremos tomar frente às Aparições de Jacareí, tomando por base a Bíblia. Saulo, quando se dirigia à cidade de Damasco e Jesus lhe “aparece” exclama: “Senhor, que queres que eu faça?” (At 9, 6). Naquela ocasião, Jesus disse a ele para procurar os fariseus e saduceus (a Igreja oficial da época)? Não! O ordenou que entrasse na cidade de Damasco e ali lhe seria dito o que deveria fazer. Beleza. E quem Deus enviou para Saulo? Os fariseus e saduceus (a Igreja oficial da época)? Não! Mas Ananias, um vidente. Como eu sei que Ananias era um vidente? As Sagradas Escrituras nos contam que foi uma aparição de Jesus que disse para ele ir procurar Saulo. É só conferir At 9, 10-16ss.

Outro exemplo foi Judas Iscariotes; este preferiu errar com a Igreja oficial da época (lembra né, fariseus e saduceus) que acertar sem ela. Bom... Errou mesmo! E segundo alguns santos místicos, como Maria de Ágreda, sua alma se encontra no inferno. Assim, a posição teológica defendida pela maioria dos teólogos atuais, de que as aparições não são obrigatórias, falando em termos de estudo teológico da atualidade, é perfeitamente passível de questionamento, e, inclusive, daria uma boa tese de doutoramento. É um posicionamento que pode ser mudado. Não é Dogma de Fé. Gostaria de finalizar este ponto dizendo o seguinte. Jesus tolerou para sempre aquela Igreja oficial da época (o judaísmo) que rejeitou o projeto que suas aparições aos Apóstolos (que também eram videntes) propunha? Claro que não!!! Por causa disso, Deus se retirou do meio daquela Igreja e passou a habitar no meio dos seus videntes, os apóstolos e discípulos, e, assim, surgiu a nossa amada Igreja Católica (Mt 21, 39-45).

Não é objetivo do Profeta Marcos Tadeu, nem de sua Ordem e muito menos de nós, a Milícia da Paz (formada por todos os fiéis seguidores daquele Santuário) provocar um cisma na Igreja. Nós apenas denunciamos os erros (prerrogativa esta, conferida aos leigos pelo próprio Concílio Vaticano II), lutamos para que a devoção a Nossa Senhora, aos santos e anjos seja colocada em seu devido lugar, e que as suas mensagens, e as dos demais santos, e até as de Deus, seja acolhida como nos tempos Bíblicos, pois acreditamos que se isto não for feito, irá se abater gigantescos cataclismos sobre a Terra, de uma tal magnitude que nunca houve, nem jamais haverá. Acreditamos que esta “palavra de Deus” transmitida nas aparições é o caminho e a única forma de salvar o mundo, e qualquer obra, ou pessoa, que ensine ou faça diferente do que elas dizem, é desprezada por nós. O motivo para isto é muito simples. Desde tempos remotos, as Aparições de Nossa Senhora (inclusive as não aprovadas pela Igreja) vêm dizendo o que aconteceria ao mundo se esta “palavra de Deus” não fosse obedecida. Resultado, tudo o que elas disseram, em um passado remoto, está se cumprindo na atualidade. Então, não há outra conclusão a se fazer, a não ser admitir que elas eram verdadeiras, e que o clero errou. Aliás, o histórico de erro do clero é algo realmente interessante. Basta citar a condenação que pesou durante 20 anos sobre as Santas Aparições de Jesus Misericordioso à Santa Faustina, e não foi por um “bispozinho” qualquer. Foi pelo próprio papa da época. Se não fosse a atuação do então Cardeal Karol Józef Wojtyła, futuro Papa João Paulo II, estas aparições estariam condenadas até os tempos atuais, e, certamente, você seria um grande opositor delas, não é? Infelizmente, como atualmente o número de Cardeais, e clérigos em geral, com este nível de espiritualidade é praticamente nulo... tadinha das aparições... snif. Praticamente nenhum deles entende de Teologia Mística, o estudo apropriado para se avaliar as aparições e estudá-las.

Além do mais, as aparições de La Salette, Lourdes e Fátima, para quem conhece mais a fundo sua história, verá que elas na verdade não foram aceitas pelo clero. Muito pelo contrário, este as combateu com todas as suas forças. Na realidade, o que ocorreu, é que os fiéis praticamente as fizeram descer goela abaixo na garganta do clero, de tal modo, que eles não tiveram outra opção a não ser aprová-las. E, mesmo nestas que foram aprovadas, o estrago que o clero fez é algo incomensurável. Não as divulgou como deveria; se o corpo incorrupto de Santa Bernadete estivesse no Santuário de Lourdes iria converter milhões de fiéis, no entanto está praticamente escondido no convento de Nevers; o corpo incorrupto de Santa Jacinta foi escondido dos fiéis; a esmagadora maioria dos vaticanistas da Itália é de acordo que, até hoje, o terceiro segredo de Fátima não foi revelado em sua integralidade; a consagração da Rússia não foi feita como Nossa Senhora pediu até os dias atuais, etc... E isso, só para citar os danos que me vem à mente neste momento.

No Santuário das Aparições de Jacareí, o Profeta Marcos está resgatando tudo aquilo que a Igreja e a sociedade tanto se esforçaram para extinguir, os escapulários, medalhas, mensagens, enfim, a salvação do mundo que Nossa Senhora nos revelou e ofereceu com tanto amor ao longo de suas aparições na história. Sem dúvida, lá está se cumprido a passagem da Escritura na qual se diz: “Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas...” Mt 13,52 É uma nova aparição que resgata todas, até as mais antigas. Portanto, se ainda quiserem seguir a doutrina da cabeça deste cara de que não precisamos de aparições, o problema é de vocês. Aliás, se formos pensar bem, porquê Deus, Nossa Senhora os anjos e os santos apareceriam, né? Afinal de contas, nosso mundo está uma verdadeira maravilha, não é? Não temos problemas de droga, prostituição, corrupção, degradação moral, depressão, decadência da Igreja, violência, roubos, assassinatos, guerras, miséria..., todos os sacerdotes são verdadeiros Serafins de santidade, enfim, o Vaticano está dando conta do recado... Só não está apresentando um desempenho melhor devido a um “pequeno” probleminha de tráfico de influência entre os altos clérigos, desvio de verbas do banco do Vaticano, looby gay entre os padres, pedofilia generalizada, um papa progressista e comunista..., mas, afinal de contas, são probleminhas fáceis de serem solucionados, né? É... Em um mundo maravilhoso e em ótimo funcionamento como esse, realmente não entendo o motivo de tantas aparições..."
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A SANTA MEDALHA DA PAZ

A MEDALHA DO AMANTÍSSIMO CORAÇÃO DE SÃO JOSÉ

A MEDALHA DA ROSA MISTICA

MÍSTICA CIDADE DE DEUS - VOL. 01 - REVELAÇÕES A SOROR MARIA DE JESUS DE AGREDA

MÍSTICA CIDADE DE DEUS - VOL. 02 - VIDA DE NOSSA SENHORA À SOROR MARIA DE JESUS DE AGREDA

LIVROS MISTICA CIDADE DEUS

LIVROS MISTICA CIDADE DEUS
ENTRE EM CONTATO PELOS TELEFONES ACIMA

A VIDA DE SÃO JOSÉ VOL.02 - REVELADA A IRMA MARIA CECÍLIA BAIJI

Santa Hora da Paz nº 5 - para ser rezada todos os dias as 08:00hs da noite

Santa Hora do Espírito Santo nº19 - para ser rezada todas as segundas-feiras as 09:00hs da noite

Santa Hora dos Santos Anjos nº19 - para ser rezada todas as terças-feiras as 09:00hs da noite

Santa Hora dos Santos Nº 36 - para ser rezada todas as quartas-feiras as 09:00hs da noite

TERÇO DA EUCARISTIA MEDITADO Nº 03

- para ser rezado em especial as quintas-feiras as 07:00hs da noite

SANTA HORA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Nº04

para ser rezada todas as sextas-feiras as 09:00hs da noite

SANTA HORA DAS LÁGRIMAS DA MÃE DE DEUS PARA SER REZADA TODOS OS SÁBADOS AS 07:00HS DA NOITE

Santa Hora de São José 38 - para ser rezada todos os domingos as 09:00hs da noite

Follow by Email